segunda-feira, 30 de julho de 2018


 DA SÉRIE: ENSAIOS QUE NOS LEVAM A PENSAR
Subsérie: Estudos para localização geodésica de um aeroporto
-
Texto de Autor
MEU ESTUDO DO NOVO AEROPORTO DE VITÓRIA DA CONQUISTA

MOVÉR
3/ 10/ 2010
Numero de Visualizações169 Visualizações


MEU ESTUDO DO NOVO AEROPORTO DE VITÓRIA DA CONQUISTA

Meu primeiro ensaio aqui no BLOG foi dedicado ao amigo e professor da UESB Davi Lima de Araújo, também dedico este texto ao distinto amigo, inteligentíssimo, autêntico como nenhum outro, possui vasta cultura, o mais importante em Davi é que ele é um humanista, por seus princípios filosóficos e por índole. O Davi não guarda rancor, nem ódio de nenhum contendor. Por pior que seja este contendor. E olhe que ele tem encontrado uns contendores difíceis de tratar, isto, aqui no BLOG do Paulo Nunes. Embora poucos o compreendam! É um Ser humano especialíssimo.
Esta matéria possivelmente será a minha despedida do BLOG do meu distinto amigo Paulo Nunes, O faço com pesar, mas, por estar em fase inicial de negociação com uma empresa paulista, de toda minha obra de ficção, para ser editada na forma de e-book, sou obrigado a fazê-lo. Uma das exigências constante nestes meus primeiros entendimentos é de que nada do material tratado na negociação seria publicado na internet, sob qualquer forma. Motivo pelo qual, nada mais poderei publicar destes meus insignificantes passeios pelo mundo da ficção. Salvo, se as negociações não forem adiante. Estão fora desta negociação as poesias, as cartas, os ensaios que não façam parte do ora acordado, as abordagens filosóficas, os pensamentos e os escritos da área técnica.

Edimilson Santos Silva

O SUCESSO DO ESTUDO DO NOVO AEROPORTO DE VITÓRIA DA CONQUISTA.

Vamos ao caso do estudo do NOVO AEROPORTO DE VITÓRIA DA CONQUISTA. No ano de 2009 fiz um estudo para a localização do novo aeroporto de Vitória da Conquista, em seis locais distintos, destes, cinco foram descartados por mim ao longo do estudo, em função de impropriedades em alguns quesitos exigidos como: acessibilidade, orientação azimutal do eixo e respectivo comprimento da pista, e naturalmente todos os cinco com topografia inadequada, eu estava em busca de declividade longitudinal e transversal no terreno que gerassem o menor custo possível em terraplenagem. Largura mínima de 800 metros, considerando futuras expansões da cidade de Vitória da Conquista, e um mínimo de 3500 metros no sentido longitudinal para a pista em si, TORA: (take run available): considerando neste caso o clearway e o stopway, (conseguí uma diferença de nível no local escolhido de 6 (seis) metros) em 3500 metros, eliminando destarte a existência de cortes e aterros significativos no projeto, o que reduz enormemente os custos do projeto, este escrutínio deveria comportar duas áreas de escape com um mínimo de 500 metros na direção do eixo e em cada extremidade da pista, perfazendo um total de 4500m, (quatro mil e quinhentos metros), praticamente planos. Esta área estudada deveria conservar e conserva o mesmo azimute do aeroporto atual, devido à direção da predominância dos ventos na região neste azimute. Atendendo a todos estes parâmetros foi encontrada uma única área, este estudo, (em forma de planta de localização), foi entregue ao senhor José Maria Caires da MAXTUR, Presidente do Movimento Conquista Pode Voar Mais Alto, que o levou até as mãos do Excelentíssimo Governador do Estado, Senhor Jacques Wagner, José Maria também levou o estudo em planta e em forma digital para a ANAC, e naturalmente, também às mãos do Excelentíssimo Senhor Prefeito Municipal, doutor Guilherme Menezes, que luta pela construção do novo aeroporto, desde quando era Deputado Federal. Como um ato de reconhecimento e fazendo justiça, tomei a liberdade de denominar o novo aeroporto estudado por mim de (AEROPORTO GUILHERME MENEZES). Não se esquecer que sou um livre pensador, sem nenhuma ligação ou vínculo com qualquer partido político. Abaixo respondo o “porquê” de um comprimento de 3500 metros e as duas áreas de escape de 500 metros, e as áreas laterais com 200 metros cada, como áreas “non edificandi”, somadas à área do aeroporto em si, com uma largura de 400 metros “centrais”, já contemplando neste estudo, as áreas de “segurança lateral” da pista, cada uma com 200 metros. Somando uma largura total de 800 metros.
Ao questionamento do “porquê” dos 4500 metros para o novo aeroporto? Responderei! Vejam os dados do anexo 14 do ICAO logo abaixo, E mesmo por que, sendo bisneto do primeiro Intendente (prefeito) de Vitória da Conquista, Joaquim Correia de Melo, julgo que ele, devido ao modelo de visão da sua época, infelizmente não pode ver nem projetar a sua Conquista para 100 anos depois! Mas, eu posso ver minha Vitória da Conquista como uma cidade do futuro, e no futuro, para daqui a 200 anos, então por conta própria, já reservei uma área para este aeroporto que no futuro será de porte internacional, daqui a algumas décadas Vitória da Conquista terá uma população maior que a da cidade do Salvador atual, daí a necessidade de se reservar uma área (desde já), para um aeroporto, que no futuro, inevitavelmente será internacional.


Para fazer o estudo do novo aeroporto me vi obrigado a considerar algumas condições para estabelecer a posição, a largura e o comprimento da pista, eis o que tive antecipadamente que entender: Nos meus estudos teria que estar atendo ao que especifica o ICAO com referência à localização ideal de aeroportos e seus comprimentos de pista, o ICAO é o órgão internacional que estabelece as normas para construção de aeroportos em todo o mundo, o Brasil é signatário de um acordo com este órgão, (International Civil Aviation Organization), eis o que procurei seguir nas especificações que fazem parte do anexo 14 do ICAO:
TORA: (take run available): pista propriamente dita
TODA: (take off distance available): TORA + clearway
ASDA: (acelerate-stop distance available): TORA + stopway
LDA: (landing distance available: TORA – cabeceira deslocada
Clearway: área livre após a pista, usada para ganhar altura imediatamente após a decolagem.
stopway: área após a pista para eventuais frenagens de aviões que abortem a decolagem.
Cabeceira deslocada: deslocamento do início da pista para aterragens em relação ao deslocamento para decolagens, permitindo:
1. Aproximações mais altas (obstáculos)
2. Em que aviões aterrando tenham uma área de sobrevôo imediatamente antes da pista com melhores condições aerológicas (menos vento e menos turbulências).
Take = pegar ou usar,

Available = disponível,

Landing = aterragem, Os demais verbetes são
conhecidos por todos.

Ficando assim explicitado o porquê de ter sido escolhido um local para o novo aeroporto com 4500 metros de comprimento total, sendo 3500 metros para a pista em si, TORA: (take run available): incluindo nestes 3500 metros a área do clearway e do stopway, e mais 500 metros para cada zona de escape nas duas extremidades da pista. E uma largura de 800 metros. Depois de publicado o decreto para demarcação e futura desapropriação da área pude ver que a Gerência de Terminais do Departamento de Infra-estrutura de Transportes do Estado da Bahia aumentou a largura da área estudada em 200 metros, também aumentou o seu comprimento em 1100 metros passando de 4500 metros para 5600 metros chegando até a s proximidades da Br-116, estes 1100 metros que vão da cabeceira da pista estudada por mim até a BR-116 possui uma diferença de nível de 30 metros, este aumento só pode ser justificado como facilitação ao acesso da BR-116 à área do Aeroporto.
Naturalmente que as normas citadas acima dizem respeito à execução do projeto de engenharia da pista em si, no entanto, a escolha do comprimento da pista e da área total, deve atender a estas mesmas exigências, pois o correspondente projeto de engenharia assim o exigirá, quando da execução desse projeto. Quanto à posição azimutal do eixo da pista, simplesmente repeti a mesma posição azimutal do aeroporto existente, que (naturalmente), teve seu eixo azimutal escolhido pela própria Aeronáutica.
Na minha vida profissional, já fiz de um tudo, sou topógrafo e projetista rodoviário, já fiz emissário submarino, estradas, mineração, pontes, projetos para piscicultura, barragens, agrimensura, programação para as áreas de topografia, geofísica, geodésia e hidráulica. Passei quase uma década no Pólo Petroquímico de Camaçari, onde fui coordenador de topografia da Montreal, e de outra gigante da engenharia nacional a Ultratec. No Pólo Petroquímico de Camaçari construímos as suas maiores indústrias, no momento já com setenta anos de idade o estudo do aeroporto para mim foi somente mais um desafio, que agora vejo “coroado de êxito”. Hoje dia 13 de julho de 2010 pela manhã, o Sr. José Maria Caires na MAXTOUR, me deu os parabéns pelo sucesso da aprovação da área estudada por mim, no entanto eu é que devo agradecer ao José Maria por acreditar na minha capacidade de fazer tal estudo, estudo este, que ele levou até as mãos do Sr. Governador da Bahia.
Julgo que Vitória da Conquista em peso devia dar os parabéns ao Sr. José Maria Caires por sua vitória, fruto da sua luta, por seu denodo e afinco ao defender através da presidência do Movimento Conquista Pode Voar Mais Alto, a construção de um NOVO AEROPORTO para nossa terra. O que finalmente vai se tornar uma realidade.

Embora eu seja um técnico, gosto de filosofia, na realidade todos nós somos filósofos, eu a pratico heuristicamente, e vejo grande sabedoria no axioma do ESPELHO, aquele de nº 5) que diz: – Ao sábio um tolo parece um sábio! Ao tolo um sábio parece um tolo. A razão disso é que temos a tendência de nos vermos refletidos no espelho dos outros.

Vitória da Conquista, 13 de março de 2010


Atenciosamente,

___________________________
Edimilson Santos Silva
77-8813 7716
moversol@yahoo.com.br

_________________________________________
De acordo: José Maria Caires, em 13 de julho de 2010

presidente do Movimento Conquista Pode Voar Mais Alto
cópia deste documento com as assinaturas dos signatários em mãos de Edimilson Santos Silva


0 comentários:

Postar um comentário