domingo, 29 de julho de 2018

MOCIDADE E VELHICE - POESIA (62)

MOCIDADE E VELHICE  

                                         

O jovem sonha quando um dia for velho...

O velho sonha quando um dia foi jovem...

 

Febris vozes dos corações a espargir paixões,

Tumultos e gritos da mocidade em aprendizado,

Pueris soluços por um amor perdido, oh! Razões!

Pra querer tudo de uma vez, oh! Ser desajuizado!

 

Pressentindo tais enganos que a vida nos oferece,

Vivendo em constante alerta, então se desespera,

Vendo morrer a esperança, e pedindo em prece,

Que o amor não morra, é tudo que da vida espera.

 

Desamores que só aumentam com o passar do tempo,

Só aos jovens é dado acreditar nos sonhos mais risíveis,

Incredulidade, sempre a perseguir o velho mais atento,

Pois aos velhos é dado ver os fatos em cores bem visíveis.

 

Sois jovem, acreditas em tudo, mesmo em sonhos virtuais,

Vives de ilusões e de quimeras, nunca vendo a realidade,

Sois velho, descrês de tudo, por suas experiências pessoais,

Ou acreditas em tudo e em nada, como uma só fatalidade.

 

Ser jovem é ser velho, como a vida é a morte por antecipação,

Ser é vivenciar sua presença no mundo sem nenhuma ubiquidade,

Ser velho é ser jovem, como a morte é a vida sem esta obsessão,

Não Ser é não sentir em si a consciência da vida em sua totalidade.

 

Ser velho é ter a certeza dentro de si, que tudo na vida são sonhos...

Ser jovem é esperar que tudo em volta de si se torne cumplicidades,

Querer é poder; conseguindo realizar os sonhos mais bisonhos.

Não querer, é ver todos os sonhos serem desfeitos em banalidades. 

 

O segredo da juventude é não ter consciência de que a vida passa.

Assim como passam os dias e as noites, pois, nunca voltam mais,

O segredo da velhice é bem saber que a duração da vida é escassa,

Assim como é escasso o tempo para aprender as coisas mais banais.

 

 

Edimilson Santos Silva Movér

Vitória da Conquista, Ba.

07 de dezembro de 2006


0 comentários:

Postar um comentário