quinta-feira, 26 de julho de 2018

O OUTONO, O INVERNO, A PRIMAVERA E O VERÃO - ENSAIO


DA SÉRIE: ENSAIOS QUE NOS LEVAM A PENSAR
Subsérie: Relações das quatro estações com as ações políticas

O OUTONO, O INVERNO, A PRIMAVERA E O VERÃO

Prezado amigo e jornalista Sérgio de Fonsêca
1* Sei muito bem que sabes, que as estações em nosso planeta são o resultado da inclinação de 23,5 graus do eixo do nosso planeta em relação ao plano geral das órbitas dos planetas, é o que chamamos de eclíptica. Daí advém as mudanças climáticas que proporciona a vida no planeta, (isto, segundo os especialistas). Meu amigo Sérgio, o grande efeito do clima sobre a vida animal, (incluindo a vida humana), é o poder vegetativo das plantas que somente a existência das sucessivas mudanças climáticas proporcionam. Imagine um clima constante, um verão perene! Um outono perene! Um inverno perene! E uma primavera perene! O planeta teria uma faixa estreita de verão eterno no equador. Duas faixas mais estreitas dos dois lados do equador, onde seria um eterno outono. Logo abaixo destas, mais duas faixas mais estreitas ainda do que, com muita boa vontade poderíamos chamar de primavera, esta faixa ira a partir do equador até a latitude de 11 graus e 42 minutos e de cada lado do equador. Aqui no Brasil equivaleria a uma faixa até Salvador na Bahia. A partir daí, dessa latitude, até os polos seria um inverno eterno. Nestes ambientes, no mínimo, a vida dos vegetais não seria como nós a conhecemos. Nem tão pouco a vida animal! A vida seria possível no planeta, mas, não com a pujança d’agora, não podemos nos esquecer que todos os animais sem exceção alguma, em todo planeta, se alimentam exclusivamente de uma base vegetal. E de que todos os vegetais necessitam das mudanças do clima para germinar, não vejo como a “coisa” poderia ser de outra forma, digo, a “germinação”. A verdade é que a vida animal teria muita dificuldade para aparecer. Mais dificuldade ainda teria a vida inteligente para assomar num ambiente tão adverso e estático… Portanto, não existiríamos.
Bem! Deixemos os efeitos das estações sobre a “vida”, e vejamos os diversos movimentos políticos já acontecidos dentro do tempo e do espaço. Tratemos somente dos fatos mais conhecidos.


2* Não nos esquecemos ainda da Primavera de Praga! Espero que não! Este movimento foi uma tentativa de Alexander Dubcek de tornar o regime comunista imposto pela URSS, mais humano, modificando o Partido Comunista da Tchecoslováquia (KSC, Infelizmente este pais foi invadido pelo exército da URSS em 21 de agosto de 1968. E a única coisa que restou foi o exemplo, e a divisão do pais em dois, divisão esta, proposta pelo próprio Dubcek. Me vem a lembrança três fatos envolvendo o inverno! Primeiro as palavras de Ricardo III na abertura de Hamlett, de Shakespeare, onde diz mais ou menos isto!  O inverno do nosso descontentamento foi convertido agora em glorioso verão por este sol de York. Parece que realmente o Rei estava preocupado com a política da época, encontraram seu esqueleto recentemente, dizem que era corcunda, e cheio de cicatrizes, era um Rei que realmente ia pra guerra pra valer. Foi enterrado numa vala comum, nem caixão usaram, portanto na época do enterro o seu corpo não foi reconhecido como do Rei. Tem gente aqui no Brasil que está morrendo de medo de ser enterrado numa vala comum.

3* Vejamos o inverno! O inverno foi o inferno de dois grandes ditadores. Primeiro foi Napoleão quando o inverno russo dizimou seu exército, o segundo foi o mata judeus da segunda guerra mundial. Quando o seu exército foi virtualmente massacrado pela valentia do povo russo e pela inclemência do inverno.

4* Tratemos do verão, em dois anos seguidos em 1963 e 1964 no verão americano aconteceram dois grandes e importantes movimentos sobre as reivindicações das liberdades humanas. Em agosto de 1963 houve o que chamaram de Marcha sobre Washington, onde duzentos e cinquenta mil manifestantes marcharam em Washington reivindicando os direito civis dos negros, foi uma marcha pacífica, reivindicava o direito de voto, da educação e etc. Este movimento foi organizado, e sobre a direção de um grande personagem: Martin Luther King. No ano seguinte em 1964 outro movimento eclodiu, ele ficou conhecido como: O Verão da Liberdade, este episódio não terminou pacificamente, pois três de seus participantes (estudantes do norte) foram assassinados pela Ku Klux Klan. As mortes foram investigadas pelo FBI a mando do presidente Lyndon Johnson. Após três meses de investigações os corpos dos estudantes foram encontrados, e o fato se transformou numa comoção nacional, isto ajudou o presidente Johnson a aprovar a lei dos direitos civis em 2 de julho de 1964, quem se lembra do filme Mississipi em Chamas? Este filme retrata este episódio.

5* Existe em curso no mundo árabe um movimento que é denominado de Primavera Árabe, mas, que nada tem a ver com a estação da primavera, sendo uma alusão à Primavera de Praga. Este movimento é conhecido internacionalmente como: “onda revolucionária árabe”
6* Tudo teve início em dezembro de 2010 com a morte de um tunisiano que ateou fogo no próprio corpo, como forma de protestar contra as condições de vida de seus compatriotas, isto provocou em apenas dez dias a derrubada do presidente da Tunísia, Zine el-Abdine Ben Ali, Este foi o estopim dos movimentos no mundo árabe. Já se envolveram nestes movimento os seguintes países: Tunísia, Egito, Libia, Síria, Argélia, Bahrein, Djibuti, Jordânia Iraque, e outros. Na maioria os presidentes e ditadores foram pro espaço. Será que aqui no Brasil será diferente?

Meu amigo Sérgio de Fonsêca, viu como as estações tornam-se marcantes na libertação dos povos!
Como será em nosso Brasil? Com um povo tão sem memória…
Um fraternal abraço

Vitória da Conquista, 20 de junho de 2013

Edimilson Santos Silva Movér


0 comentários:

Postar um comentário