terça-feira, 24 de julho de 2018



14 Oitavo ensaio

AINDA SEREMOS CINQUENTA BILHÕES DE FALANTES

Uma utopia, será!
Ainda seremos cinquenta bilhões de falantes?
Será realidade, ou ficção? Talvez seja mais uma poesia com uma pitada de profecia, talvez seja! Ou, quem sabe, uma esperança teleológica humana!
Será que o existir tem um fim último, preestabelecido?
Às vezes desconfio que a teoria copernicana de John Richard Gott esteja certa...

1* Na realidade a matéria de que é formado todo o universo, não começou a existir a partir do Big-Bang, Mas sim, depois da última recombinação ocorrida 378 mil anos após o Big-Bang, quando surgiu o hidrogênio primordial, num próximo ensaio falaremos sobre isso.
2* Foi o hidrogênio primordial que formou as galáxias com as estrelas, os planetas e, consequentemente, todos os elementos da tabela periódica... Então, somos todos filhos do hidrogênio. No Planeta Terra, como fonte de energia, só existe o hidrogênio em quantidade suficiente para garantir a energia necessária para garantir o futuro da humanidade. Isto, pelo menos, até o fim da humanidade, que tem uma duração máxima prevista pelo princípio copernicano de 7.800.000 anos... (sete milhões e oitocentos mil anos). Se encontrarmos uma fonte de energia inesgotável, limpa e barata, para podermos separar o hidrogênio do oxigênio da água dos oceanos, então será viável chegarmos aos cinquenta bilhões de seres. Ficção? Vejamos... No mínimo, dirão: é louco! Mas, algumas propostas estimulam nossa imaginação...
3* Li há pouco tempo que, segundo um estudo encomendado pela ONU, feito por renomados cientistas (a ONU está sempre à frente dessas pesquisas), as terras emersas do planeta, sua flora e sua fauna, isto é, a sua biosfera, tem condições ou capacidade natural de suportar confortavelmente 1,6 bilhão (um bilhão e seiscentos milhões), de seres, sem provocar nenhum impacto ambiental, sem ocorrer, como resultante da atividade desse número de falantes, nenhum ato predatório de monta na fauna ou na flora do planeta, incluindo aqui o ambiente marinho. Somos obrigados a concordar com a proposição dos cientistas, pois, em torno de 1900, essa era a população aproximada do planeta, e o planeta estava, pode-se dizer, quase intacto. Em 1900, independentemente da explosão da revolução industrial no século anterior, tudo corria às mil maravilhas quanto ao meio ambiente, principalmente quanto ao clima! Estávamos praticamente no início da grande revolução tecnológica. Depois de 1900, iniciava-se a era do automóvel, a exploração do petróleo estava começando, o motor à explosão era um bebê, a frota pesqueira mundial tocada a vapor nem arranhava os grandes cardumes dos mares! Tudo ia às mil maravilhas! Será? Ah! Sarajevo, Ah! Ferdinando, que passeio infeliz, não por tua culpa, bem sei! Os maquinadores das guerras sempre arranjam desculpas, fostes somente a primeira vítima... A primeira guerra fez explodir a indústria da guerra, fez explodir a indústria naval pesada, a indústria automotiva iniciada no princípio do século, com a invenção da linha de montagem por Ford, entrou na linha ascendente de produção, requerendo mais e mais combustível oriundo do petróleo. Assim, sangraram profundamente as carnes da Terra em busca do ouro negro! Inventaram os tratores e depois as motosserras e fizeram os cabelos da Terra! A curva ascendente e exponencial da explosão demográfica teve início em 1900.
4* Quando toda a humanidade festejou o nascimento do século XX, a Terra chorou copiosamente pelo seu futuro... Em 24 horas uma onda de silêncio percorreu toda a superfície de Gaia... Toda a vida "não humana" do planeta fez como uma grande "Ola" de um minuto de silêncio. Em todo o mundo, as brisas balançaram com infinita tristeza as folhas das árvores, todos os pássaros emudeceram, as florestas se calaram, toda a fauna emudeceu, os fundos dos mares ficaram parados, todo Ser luminescente não piscou por um minuto em respeito às desgraças que se abateriam sobre o planeta, pelos absurdos que o homem praticaria no século nascente. Os vulcões emudeceram, os polos transidos de frio viram o nascer do século que acabaria com os gelos dos polos, sem nada poder fazer! Todos os pinguins mergulharam de uma só vez para não ver o século da insensatez nascer... A Antártida ficou visceralmente branca, pois todos os pinguins estavam mergulhados no mar. Os Ursos no Ártico em pleno inverno só saíram de suas covas para ver o estranho bailar da estrela polar! As estrelas no alto dos céus perderam seu rumo, o silêncio do planeta as desnorteou! Galáxias distantes choraram pelo nosso infortúnio! Quasars distantes tremeluziram de tristeza! Nunca mais o planeta seria o mesmo... Só o homem continuava indiferente...
5* O século que nascia anunciava o fim da espécie humana, o clangor do infinito fora ouvido por toda Gaia. James Lovelock neste ano de 2010 completou 91 anos, dedicando toda sua vida em defesa de seu planeta, e parte da humanidade insensível e insana, considerou-o simplesmente um catastrofista! Pobre Gaia...
 6* Há uma grande verdade que logo será comprovada! A nação que primeiro dominar a tecnologia do hidrogênio, será a primeira a chegar às estrelas. Ontem, a ONU inaugurou na Noruega um imenso banco de sementes (a ONU está sempre à frente dessas pesquisas)! A terra é absolutamente, a mãe de todos, pois, também é a mãe natural da flora, e da fauna, as sementes renascerão, isto o sabemos, mas o que farão com os óvulos dos animais mamíferos, sem as mães com os seus úteros, como efetuar a reprodução? O planeta terá sua fase de ovíparos! Os ovovivíparos desaparecerão junto com os mamíferos. Difícil predizer o que ocorrerá com a fauna marinha. Se os insetos forem extintos, será um desastre para a reprodução da flora; basta desaparecerem as abelhas, para que se perceba o tamanho do desastre! A ausência dos pássaros semeadores será outro grande desastre. Os roedores e pequenos animais são os transportadores naturais das sementes das grandes árvores, eles são os pés das florestas, as bordas das florestas só andam com os pés desses animais. Quem ouvirá o tombar da última árvore?  Quem ouvirá o bater das asas ligeiras do último colibri? Abram os olhos! Bem abertos! E leiam! Se não conseguirem entender, tentem ver com os olhos da alma, com os olhos do entendimento do espírito. Limpem bem os ouvidos e escutem com sutil atenção! Nostradamus, ao dizer Papa Negro, dizia com todas as letras (Mandante máximo negro!). O apocalipse se aproxima, quem tiver entendimento para entender entenda! Estamos próximos da irreversibilidade, muito próximos... O número do ano é 2013, e o nome da hecatombe é CAOS. Se tendes entendimento, juntai-os e afastai-vos desse número... ao ser repetido pelo fim. Eis algumas perguntas sem respostas – então seria inútil fazê-las! Mas, assim mesmo as faço: Para que tanta insensatez? Para que tanta ganância? Que farão com as fortunas amealhadas com a destruição da flora e da fauna? Onde gastarão essas imensas fortunas? Ó homens insensatos! Não vedes que estais destruindo tua própria e única morada? No Setentrião, uma nação que será odiada pela maioria dos povos espera pacientemente que a nau dos insensatos dê, no “maximum maximorum”, mais 25.000 voltas em torno do seu eixo.
 7* Quando decorrer este tempo, estarão completamente esgotadas todas as reservas dos combustíveis fósseis. Nessa altura, a população do planeta estará reduzida a, talvez, nem a um bilhão de almas, talvez muito menos. E, então, a nação que controlar em larga escala a produção do hidrogênio controlará o mundo e se tornará, com o passar dos tempos, a única nação existente no planeta. Todos falarão sua língua e todos usarão sua bandeira no bolso da camisa, na gravata e nos vidros dos seus carros, obviamente a hidrogênio. Todos os seres falantes terão implantado um chip no seu corpo! Todos serão rastreados! Aquele que retirar o chip será rastreado como não "chipado" e eliminado pelos satélites de busca automática de não "chipados" e serão julgados como Prejudiciais ao Futuro do Planeta (PFP) e extintos! É a única maneira de manter a paz e garantir o futuro da humanidade no planeta! Aqui não me refiro a organismos como BILDERBERG, UNIÃO TRILATERAL, ILUMINATIS. Ou o CLUBE DE ROMA DO Aurélio Peccei. Refiro-me à grande nação que surgirá no futuro! Com vagar, o planeta se recomporá; lentamente, mas se recomporá.
8* Não considero viável e provável que qualquer nação existente atualmente sobreviva ao CAOS. A grande e nova nação que surgirá, será uma federação do que restar de todas as nações d’agora.
9* Vamos a mais algumas previsões! No século que passou, a grita dos ambientalistas foi de ensurdecer! Ninguém lhes deu ouvidos. No entanto, convenhamos! Com ou sem a “grita” mas, com o concurso dos próprios ambientalistas, alcançamos o patamar da irreversibilidade, sem que a cantilena desses mesmos ambientalistas se voltasse para o problema maior, que todo humano com um mínimo de bom sensatez, indiscutivelmente, sabe que é a pressão demográfica exercida sobre a fauna e a flora do planeta, (na sua biosfera). Será que estavam todos cegos? Ou todos se faziam de cegos?
10* Todos falantes do planeta se tornaram ambientalista (parecia que tinha virado moda, como num passe de mágica, todo mundo era ambientalista), no entanto os humanos se multiplicaram como ratos e assim mataram o planeta (minha certeza é tamanha, que estou falando no tempo passado!). Falta de aviso não foi! Alguns seres mais argutos, logo no início do desastre, enxergaram o quadro vindouro!  Quem primeiro alertou para o desencontro foi Malthus, algum idiota ainda não percebeu que ele estava certo! A tecnologia utilizada para produzir alimentos em alta escala está lotando os hospitais! O pior é que os governos e a maioria da população faz de conta que está tudo normal. Quem me chamou a atenção, me alertou foi um sábio, e professor de uma universidade italiana, de nome Enrico Turrini, com sua obra (La via del Sole), com título em português O caminho do Sol. Só tomei conhecimento da obra desse Italiano em 1998, ela foi publicada aqui no Brasil em 1993 pela Editora Vozes. Nesta obra, ele nos faz ver que a energia atômica é um mito e que o custo da expansão desenfreada da produção industrial ou de um crescimento ilimitado da atividade predadora do homem com relação ao meio ambiente nos levará ao caos. Sobretudo, ele nos faz ver que o crescimento da exploração da energia atômica nos levará ao caminho desastroso da via energética "dura" e que o calcanhar de Aquiles da energia atômica é o rejeito final desta atividade. Nenhuma nação do clube atômico (mesmo as mais ricas e com maior domínio tecnológico na área) conseguiram uma forma segura de se desfazer dos rejeitos. Mesmo se conseguíssemos resolver o problema dos rejeitos, outro grande problema é que as reservas de minérios radioativos em todo o planeta não durariam nem 500 anos! E, depois disso, que faríamos? Teríamos que resolver a tecnologia do hidrogênio, mas o grande problema é que o hidrogênio em abundância no planeta só se encontra associada ao oxigênio, está na forma de água e, para separar os átomos do hidrogênio dos átomos do oxigênio da água, é necessário utilizar energia elétrica. Um dos princípios físicos menos oneroso para efetuar a separação dos dois átomos é a eletrólise. A eletrólise consome energia elétrica em larga escala, e, para termos energia elétrica em larga escala limpa e barata, é necessária uma fonte de energia em larga escala limpa e barata, e a única fonte de energia em larga escala limpa e barata que possuímos é a energia solar. A nação que, até o ano 2060, tiver dominado a captação da energia do Sol em escala planetária, através de imensos painéis solares (20x20 km ou menos) "geoestacionários" postos no espaço em altitude conveniente (500 a 1000km ou mais), de forma que a energia captada pelas estações geoestacionárias iluminadas pelo Sol possa ser distribuída para as outras estações que estão no lado escuro do planeta, de maneira tal, que, em qualquer instante, a totalidade das estações emita para a superfície do planeta uma mesma quantidade de energia em forma de micro-ondas para grandes fábricas de hidrogênio ao longo de todas as costas oceânicas, as imensas fábricas (onde necessário for), alimentadas com energia limpa e barata, produzirão o hidrogênio que será aí mesmo comprimido e injetado em "hidrogenodutos", distribuindo assim, para todo o interior dos continentes para onde e, para o que necessário for: fábricas, siderúrgicas, sistema de transporte urbano, caminhões, ônibus, automóveis, motos, usinas geradoras de energia elétrica, tratores, aviões, foguetes, helicópteros, navios, lanchas etc. E isto num processo contínuo. Serão desativadas todas as outras formas de geração de energia, atômica, hidroelétrica, eólica, geotérmica, "maremotriz" etc. Serão desativadas principalmente as hidrelétricas, seus reservatórios passarão a serem utilizados como fontes de água para o consumo humano. Com a energia limpa e barata do hidrogênio, esta água poderá ser bombeada para grandes distâncias. Poderemos resolver o difícil problema da produção de alimentos para cinquenta bilhões de seres. Ao longo de todas as costas dos continentes, será reservada uma faixa com 300 km de largura, (não será econômico nem lógico bombear água para irrigação para longas distâncias continentes a dentro), para produção agrícola e para a pecuária. Uma infinidade de estações de dessalinização com suas respectivas estações de bombeamento, postadas ao longo das costas de todos os continentes, fornecerão, de forma contínua, toda a água necessária às atividades, agrícolas e pastoris. Estes anéis de produção abrigarão toda a agricultura e a pecuária, esta, será confinada em imensas estufas! Lembrem-se das areias dos desertos, que é sílica pura, estas estufas serão feitas com vidro e nada mais. Não haverá mais pecuária extensiva.
11* Os gases resultantes dessa intensa atividade pecuária serão tratados convenientemente. As áreas dos centros dos continentes serão reservadas para uma completa reposição das vegetações típicas de cada região. Dentro de 150 ou 200 anos, a flora e a fauna serão restauradas, e teremos um novo planeta, e uma nova humanidade surgirá, fruto de um rígido controle demográfico. Esta é a única maneira de o planeta e a humanidade sobreviverem... É o único caminho!  Este é o caminho do Sol (do Enrico Turrini e do Movér)...
12* Nestas condições o planeta suportará por 7,8 (sete milhões e oitocentos mil) anos, uma população de até 50.000.000.000 (cinquenta bilhões) de falantes, incluindo também a fauna planetária. Então, a teoria copernicana de John Richard Gott estará certa.
13* O arrazoado abaixo, nos esclarece e nos ilumina como funciona o princípio antrópico copernicano de Gott:
14* Analisemos o prometido princípio copernicano de Gott, onde podemos observar que este princípio, nada mais é, que um princípio antrópico, embora não seja o mesmo princípio antrópico do Dicke ou do Hawking, o princípio copernicano do Gott é um princípio também antrópico, relativo, pertencente e referente ao período de existência do homem na Terra. O princípio antrópico data de 1961 e segue uma linha de raciocínio do professor de Princeton “Robert Dicke” e pode ser definido pela seguinte afirmativa: Vemos o universo da forma que o vemos porque existimos num universo da forma que ele o é. Ou conforme Hawking, vemos o universo da maneira que o vemos porquê, se fosse diferente, não estaríamos aqui para vê-lo. Há ainda como variante, do princípio antrópico, os princípios antrópicos fortes e fracos, formulados pelo físico britânico Brandon Carter em 1974, mas, que no momento não estão sob nossa apreciação.
Agora, eis o enunciado do princípio copernicano do Professor Dr. John Richard Gott.
Princípio Copernicano:
15* Nicolau Copérnico demonstrou de forma contundente que não ocupamos uma posição especial no espaço; depois das descobertas modernas, de que habitamos um planeta comum, um sistema solar comum, uma galáxia comum, um aglomerado de galáxias comum: tomamos conhecimento de uma vez por todas, de que, de maneira nenhuma habitamos ou somos o centro do universo. O Dr. J. Richard Gott, professor de ciências astrofísicas da Universidade Princeton, em Nova Jersey, com base neste fato, criou o princípio copernicano, obedecendo aos seguintes argumentos:

PRIMEIRO ARGUMENTO: De 50%
16* Se você observa algo em um momento aleatório, há uma chance de 50% de você o capturar nos dois quartos centrais de seu período de observabilidade, no quarto final o futuro é três vezes mais longo que o passado, ao passo que no primeiro quarto, o futuro tem um terço da duração do passado. Existe uma chance de 50% de você estar confinado entre estes dois extremos, e de a duração do futuro ser de um terço a três vezes o passado.

SEGUNDO ARGUMEMTO: De 95%
17* Se você observa algo em um momento aleatório, há uma chance de 95% de você o capturar nos 95% centrais de seu período de observabilidade, nos 2,5% do início do seu período de observabilidade, o futuro é 39 vezes mais curto que o passado, ao passo que nos 2,5% do final do seu período de observabilidade o futuro é 1/39 da duração do passado. Existe uma chance de 95% de você estar situado entre esses dois extremos, e de a duração do futuro ser de 1/39 a 39 vezes o passado.
18* Para calcular a duração mínima e máxima da humanidade! O professor John Richard Gott considerou o “homo sapiens sapiens”, como existente desde os 200.000 (duzentos mil) anos atrás.
19* O resultado do cálculo do Dr. Gott foi o seguinte:
Duração mínima futura da humanidade:  5.100 (cinco mil e cem) anos
Duração máxima futura da humanidade: 7.800.000 (sete milhões e oitocentos mil) anos.
20* Qualquer pessoa de raciocínio mediano, naturalmente conseguirá absorver os conceitos contidos nestes dois argumentos, que são idênticos em seus princípios, mudando somente os valores porcentuais, e assim, fazer seus próprios cálculos. Portanto, nãos à obra. Observe que estes dois argumentos podem ser utilizados para se prever a duração mínima e máxima de qualquer evento, ou empreendimento humano.
21* Agora, não me refiro mais do princípio copernicano:
Em alguns pontos deste ensaio, a linguagem cabalista torna-se necessária, pois, ela acura e estimula o entendimento das “singularidades” contidas em alguns tópicos, que aos falantes comuns, são à primeira vista, coisas obscuras.

Edimilson Santos Silva Movér
Vitória da Conquista, BA, 3 de março de 2008.
moversol@yahoo.com.br  

0 comentários:

Postar um comentário