terça-feira, 24 de julho de 2018

O CAOS - Obra 21 ENSAIO



06 Décimo sexto ensaio

O CAOS

1* Esta é tão somente uma ficção futurista, lembrem-se, o modo em que foi escrito este ensaio só foi possível, e está fundamentado na “burrice” dos ambientalistas, que nunca se preocuparam com o crescimento exponencial da humanidade. (Burrice esta, refletida na super população existente no momento no planeta), Se quiserem podem até me chamar de Movér de Nostradamus. Não me sentirei ofendido de forma alguma. Até me sentiria honrado.
O que faço é dar uma furtiva olhadela no futuro que o homem, dito inteligente, está criando nestes últimos tempos para seus descendentes.
Esta é uma divertida previsão futurista, nada mais que isto.

O QUE CHAMO DE CAOS, É O CAOS DO CAOS, E PONHA CAOS NISSO!
2* Este ensaio não é nem poderia ser uma real predição de eventos futuros. Sendo tão somente um ensaio de um ensaio futurista. Na verdade, meus inteligentes e perspicazes leitores, vou escrever este ensaio como treinamento para escrever um ensaio futurista, (como disse acima), podem me alcunhar de Movér de Nostradamus! Não estou, nem aí! Estou disposto a descrever para o mundo, isso na forma de ficção! Como foi que um povo cavernícolas, dentro de míseros dez mil anos saiu das cavernas e vai partir para o quarto planeta, a promessa da NASA é para de hoje, (2018), a uma dúzia de anos. Que eu, desde muito tempo, chamei de fiasco de Marte. Ninguém nunca conseguiu explicar porque levamos 300 mil anos a partir de quando nos transformamos em pensantes e falantes, para inventar a lavoura! Para inventar uma coisa tão simples, levamos 300 mil anos, e somente 10 mil anos para inventarmos uma máquina com condições tecnológicas e avançadíssimas para nos levar até ao quarto planeta! Alguém aí, pelo mundo afora tem uma explicação lógica, porque tal diferença de tempo ocorreu! Não é uma maravilha que isto tenha ocorrido? Meu ensaio/ficção em fase de elaboração que levará o nome: Mudança de Plano, se fundamenta, e tem por base a explicação dessa anomalia ocorrida com a única espécie falante do terceiro planeta.
3* Este ensaio, me refiro ao (décimo sexto), não é, nem poderia ser uma real previsão, nem tão pouco um vaticínio de eventos futuros. No entanto, em razão do grau de insensatez da atual humanidade, as predições aqui delineadas, bem que poderiam ser passíveis de acontecer!
4* Ora, partindo do pressuposto, ou melhor! Segundo a gnosis, esta seria a quinta humanidade, descendente dos ários, conforme o descrito no Ahau Katum! Ao que se presume! Não seria esta, a primeira, nem a última vez que uma humanidade desapareceria do planeta. A dificuldade para se acreditar que pelo planeta já passaram outras humanidades é resultado do fato de que nossas (visões e crenças), obviamente, só nos levam a imaginar e procurar uma humanidade no passado com as mesmas características físicas, comportamentos, desenvolvimentos, e as crenças da humanidade atual. A “onisciência” é uma burrice sem fim! A paleontologia e a antropologia atuais não estão isentas disso! Simplesmente! (não tem fóssil, não existiu!).

O QUE SERIA O CAOS?
5* O que denomino de CAOS é uma sequência de nefastos eventos climáticos resultantes da emissão de moléculas de CO2 (dióxido de carbono), CH4 (metano) e o N2O, (óxido nitroso), e mais alguns gases lançados indiscriminadamente para a atmosfera, oriundas da queima dos combustíveis fósseis e das queimadas das grandes e pequenas florestas em todo o planeta, da decomposição do plâncton marinho, e de resíduos do vulcanismo. Que, em última instância, são as causas primeiras do que chamam de efeito estufa. 
QUANTO DURARÁ O CAOS?
6* Não há como saber se o CAOS terá uma duração de 1, 5, 10, 20 ou 50 anos. A lógica nos indica que o início desse período turbulento se dará quando estivermos próximos do fim do consumo das últimas reservas dos combustíveis fósseis, portanto daqui a 30 ou 50 anos. Parte do que aqui será escrito não representa nem meus princípios nem minhas crenças. Assim, este ensaio nada mais será que a resultante de uma análise da atual realidade climática planetária, provocada principalmente pela pressão demográfica numa projeção na forma de ficção para o que virá ocorrer no futuro.

O GOVERNO MUNDIAL
7* Durante o CAOS, sucumbirão todas as organizações criadas pela sociedade humana, empresas industriais e de serviços, inclusive os chamados de “GOVERNOS”, nenhuma nação ficará de pé como nação organizada. Do que restar de todas elas, será instituído um Governo Mundial, com regras duríssimas, para conseguir controlar o CAOS social daí advindo. Eis algumas dessas regras: todos os povos terão uma única língua; o planeta terá uma única moeda; serão extintas todas as bolsas de valores; o capitalismo será extinto para sempre da face do planeta; o crescimento das empresas será limitado e controlado pelo Estado, ou não haverá estabilidade na economia; não haverá recalcitrantes; a população será submetida e otimizada à metralha; grandes computadores controlarão o planeta e sua economia, que será um misto de todas as experiências econômicas que a civilização que passou inventou. O CAOS assim o exigirá. Após o CAOS, a lembrança do CAOS estará para sempre presente na memória da humanidade, por isso todos se submeterão às novas regras. Todos erraram e sabem que erraram, portanto o novo governo não será imposto pela força, mas, pacificamente e com o consentimento de todos, não será exercida nenhuma influência do clube Bilderberg nem dos Iluminattis nem da Comissão Trilateral, tampouco pelo Clube de Roma (há uma grande probabilidade de que nenhum dos participantes destas sociedades de “pressupostos mandões do mundo” estejam vivos após o CAOS, e isto é uma simples constatação estatística).

8* O Governo Mundial será imposto pela derrocada de todas as nações do planeta, o Governo Mundial será uma tentativa de salvar o que restar das nações e dos povos esfacelados pela fúria da natureza. Nem os mais pessimistas dos futuristas pessimistas seriam capazes de retratar os acontecimentos futuros. Não haverá tecnologia capaz de frear a natureza em pleno descontrole; dez anos de fúria do clima planetário reduzirá a nada; o que a natureza criou pacientemente nestes últimos dez milhões de anos. Aqui está incluso as épocas do holoceno, o pleistoceno e todo o plioceno, época do surgimento do homo habilis, e tudo que a civilização humana construiu nestes últimos dez mil anos de desenvolvimento, se é que a podemos chamar de civilização! Tudo será destruído, só restarão escombros e nada mais. Todos os sistemas de transportes serão irremediavelmente danificados em suas estruturas básicas, principalmente pelo não uso por décadas. Assim veremos as estradas em todo o mundo, serem destruídas, os aeroportos ficarem paralisados e a grande maioria deles se tornarem imprestáveis ou destruídos pela fúria da natureza. As aeronaves de todos os portes, dentro e fora dos hangares, virarão um monte de lixo; todos os portos ao redor do mundo serão seriamente danificados, cem por cento dos navios estarão nos fundos dos mares ou em cima dos cais. Restarão no planeta muito menos de cem milhões de seres, e todos em condições lastimáveis. Nenhuma nação sairá incólume, todas as máquinas governamentais paralisarão por falta absoluta de pessoal qualificado e de meios (material humano e dinheiro) para funcionar, não subsistindo como organismos administrativos. Assim todos os governos deixarão de existir, todos os povos serão atingidos. Os sobreviventes não entenderão por que sobreviveram. Passarão décadas até que se organize um governo provisório. Numa assembleia geral do pouco que restar dos governos de todo o planeta, será instituído unanimemente, como melhor solução, um Governo Mundial. A net será quase totalmente destruída e, várias décadas após o CAOS, será reconstituída; dois séculos serão necessários para se reorganizar a humanidade nos moldes atuais. Não haverá espaço para a religião, que, por sinal, será proibida para todo o sempre. Toda essa destruição será fruto da insensatez, da ganância, do orgulho e da falta de senso de uma humanidade falsamente religiosa. Todos os néscios, loucos e idiotas, chamados de ambientalistas, não perceberam que o CAOS seria provocado pela ação danosa da explosão demográfica e de nada mais! Futurólogos, cientistas e homens de boa vontade, todos advertiram e gritaram! Só os céticos não moveram uma palha para mostrar às suas empresas poluidoras o erro em que estavam incorrendo! A queima descontrolada dos combustíveis fósseis nos aniquilará, mas ninguém deixará seu veículo na garagem, inconsequentemente ninguém deixou de consumir! Nos dias de hoje já possuímos mais de 1,2 bilhão de veículos automotores.

 9* Da maior indústria do planeta, (a automotiva), restarão como testemunho da insanidade humana, sete ou oito bilhões de carcaças de veículos automotores paralisados por absoluta falta de combustível. Se ainda restasse um litro de combustível, a insensatez humana ainda tentaria rodar com alguma destas velhas carcaças!!!... Daí advém a necessidade de um controle tão brutal do que restar da humanidade! Por não possuírem a índole de obedecer, nada mais restará fazer, a não ser submetê-los ao controle ou abandoná-los á própria sorte. A nova humanidade será uma sociedade de seres obedientes, a seleção será brutal e necessária. Aos poucos se criará uma sociedade factível de conviver de forma pacífica com o novo meio ambiente restabelecido. Estabelecer-se-á uma dura maneira de estabilizar o crescimento demográfico, inimigo maior da perpetuação da espécie. A espécie humana aí então poderá ser chamada de espécie do “Homo Sapiens Sapiens”, pois, aprendeu a ferro e a fogo a saborear a sabedoria.
 
10* Nunca entendi por que denominaram a espécie mais selvagem do planeta de “Homo Sapiens Sapiens”. Os meios pelos quais a estabilidade do crescimento será conseguida serão cruéis. Aos poucos, com o desenvolvimento da uma nova genética, humanizar-se-ão os métodos para se conseguir uma duradoura estabilidade demográfica, após a grande “derrocada” tratada no ensaio XV. Decorridos dois séculos do início do Governo Mundial, já estarão extintas todas as línguas antigas, todo conhecimento adquirido pelos antigos povos será guardado nos bancos de dados para possíveis futuras consultas. Suas bibliotecas serão transcritas para a nova língua universal e os velhos escritos serão destruídos. Nada do conhecimento antigo será perdido, mas será proibida de forma radical a criação de novas línguas; uma nova ciência genética cuidará de desenvolver seres com a capacidade de ler a mente humana. Assim ficarão como coisa do passado os sete pecados capitais, como a gula, a avareza, a inveja, a ira, a soberba, a luxúria e a preguiça, os filhos destes pecados, como a mentira, o engano, a usura e o egoísmo e os maus pensamentos, desaparecerão, pois, como todos leem as mentes de todos, não haverá como enganar ninguém.
A INSENSATEZ
11* Os homens sensatos da civilização anterior ao caos, gritaram por décadas, seus gritos, diziam que a humanidade não poderia crescer indefinidamente e desordenadamente, mas a praga das “religiões” que os governos utilizavam como freio dos instintos bestiais dos homens ditos “sapiens” impedia que se controlasse tal crescimento. Nessa nova sociedade, quando alguns grupos tentarem criar “religiões”, eles serão simplesmente condenados a deixar o planeta. Ninguém se arriscará a uma nova burrice.
QUANDO TODOS FORMOS TELEPATAS,
12* (Num futuro mais distante, seremos telepatas, difícil predizer quando). Como todos lerão os pensamentos de todos, será extremamente difícil, reviver tal burrice, será impossível, criar novamente tal estultícia. A humanidade poderá e deverá tomar conhecimento que o universo, em forma de energia é inteligente, isto a ciência no futuro reconhecerá, hoje, a ciência ainda não reconhece isto, mas, parte dos cientistas o reconhece e de forma eufemística o chama de: holismo. Sistemicismo, ou mesmo reconhecendo que a mente humana interfere nos experimentos da física quântica! Daí, para se crer num Deus Cósmico é um pulo. Deus este que seria impessoal, invisível, inalcançável, incognoscível e eterno. Sendo o criador do próprio cosmos e da vida dentro do cosmos. Não sendo ele um Deus imanente espinozano, não sendo ele o cosmos, pois sendo o seu criador, seria transcendente ao próprio cosmos. Portanto que não interfere na vida dos seres que ele mesmo criou como parte do Universo. Universo este, em que ele não interfere também... Não é tão difícil entender isto!

A DURAÇÃO DOS DIAS DE FERRO
13* Este regime aparentemente impiedoso durará pelo tempo necessário, até a completa recuperação da natureza. Serão necessários imensos esforços para que a nova sociedade recupere seu parque tecnológico, para poder, com total segurança, se desfazer da herança maldita de 50 mil artefatos nucleares. Durante trezentos anos, a nova humanidade utilizará principalmente a energia renovável da biomassa, das fontes de energias hídricas e eólicas, pois o pouco que restar dos antigos campos dos combustíveis fósseis serão lacrado para sempre. Cinco séculos após o CAOS, o Governo Mundial instituirá, depois da completa recuperação da fauna e da flora terrestre e marinha, um projeto para “Ser” seguido com todo o rigor que se chamará plano Bilhão. Dentro de mais um século, a humanidade terá permissão para atingir o patamar de um bilhão de seres, com o conhecimento científico recuperado e ampliado, a tecnologia do uso do hidrogênio plenamente dominada e abandonado paulatinamente o uso da energia atômica, das hidrelétricas, da energia eólica, da energia geotérmica e, principalmente, da energia oriunda da biomassa.

AS TAXAS INFAMES
14* Neste ínterim o Governo Mundial se verá forçado a impor regras e taxas insanas, que atanazarão a vida de todos, com as formas mais esdrúxulas que pudermos imaginar! Haverá a taxa da existência, e, assim, pagaremos por existir. Cobrar-nos-ão taxas para podermos sorrir, para podermos chorar por nossos amargores, e só respiraremos se pagarmos uma taxa diária de ar. Assim, usaremos obrigatoriamente detectores de oxigenação do nosso sangue para que possam avaliar a quantidade de oxigênio que respiramos, e, inapelavelmente, nos cobrarão por isso. Se amanhecermos com nossa conta bancária zerada, aí então ficaremos sem respirar até que a conta seja suprida (não sei como ficaremos sem respirar, possivelmente teremos reservas técnicas” para as emergências). Ao abrirmos nossas janelas, chips implantados em nosso organismo começarão a contar as horas e a quantidade de lux que recebermos direta ou indiretamente do sol durante o dia, e, ao fim do mês, será descontado, de nossos créditos bancários, o custo das horas de luz em que fomos iluminados pelo astro rei. Não sei se nosso peso corporal será considerado somente como o peso do nosso organismo, ou se levarão em conta também o peso de uma infinidade de chips que implantarão em nós desde a maternidade. Ao anoitecer, os mesmos chips que contam a luz do dia contarão as horas em que desfrutarmos da escuridão da noite, e até isto nos será cobrado. Nossos olhos terão instalados no seu interior chips que registram o tempo em que estivermos vendo as paisagens que nos cercam, e cada paisagem terá seu custo: um muro, alguns centavos; uma serrania, uns reais; uma cachoeira deslumbrante, muitos reais; uma floresta de ipês floridos... é bom não olhar por muito tempo! E assim por diante. Raramente levantaremos nossos olhos à noite para olhar as estrelas, pois os chips que registram o tempo que olhamos as paisagens registrarão o tempo que olhamos as noites estreladas, e assim pagaremos por isso. E, mais nossas contas diminuem. Olhar para a lua cheia por algumas horas fará com que os nossos créditos cheguem a 0 (zero). Um olhar para a Lua Nova terá um custo menor, os quartos crescentes e minguantes custarão menos, assim ficaremos menos tentados a gastar nossos créditos olhando a lua cheia! Satélites nos monitorarão por 24 horas. Ao sairmos de nossas casas, estaremos pagando a vil taxa de locomoção, pois andar consome mais oxigênio. Para podermos reclamar, teremos que pagar alguns créditos por ocupar e dar trabalho aos órgãos governamentais. Ao morrermos, teremos que pagar a mais alta de todas as taxas, que é a taxa por parar de pagar taxas.
O EXAGERO APARENTE DAS PREVISÕES
15* Muitos julgarão extremamente pessimistas e exageradas estas predições, no entanto é possível que elas não representem nem um décimo do que está por vir! Portanto, não restarão nem cem milhões de sobreviventes, e tão cedo não terão meios de implantar um governo mundial, tampouco as taxas aqui preditas. Estes dez milhões restantes serão de campesinos com alta capacidade de adaptação e de sobrevivência por longos períodos em meio a um ambiente inóspito, com baixíssima cultura científica, pois, dos citadinos tecnológicos, sobrarão muito poucos, a maioria sucumbirá à fome, às intempéries e à rudeza do meio ambiente. Passadas várias décadas, quando a nova humanidade começar a se multiplicar como ratos, homens sensatos talvez nem criem o Governo Mundial. Simplesmente, todos os governos reinstalados implantarão as medidas aqui previstas.
16* No lugar do termo “imposto”, utilizei “taxa”, por ser mais palatável, menos ofensivo, pois todos pagam taxas aos bancos e poucos reclamam. Isto se deve a uma razão semiológica ou semântica! Poucos reclamam das taxas.
Para um planeta onde mora “seres” inteligentes, mas, inconsequentes, onde campeia a insensatez, qualquer previsão futurista é permissível!!!... Lembrem-se que esta é tão somente uma ficção futurista, se quiserem (já disse), podem até me chamar de Movér de Nostradamus. Não me sentirei ofendido de forma alguma, lembrem-se que o (molde do tema), em que foi escrito este ensaio, só foi possível devido a burrice dos ambientalistas, que nunca se preocuparam com o crescimento demográfico da humanidade de forma exponencial.

Edimilson Santos Silva Movér
Vitória da Conquista, 25 de dezembro de 2008
moversol@yahoo.com.br  

0 comentários:

Postar um comentário