terça-feira, 24 de julho de 2018

O DESTINO DA GAIA NAU - Obra 21 ENSAIO



Décimo quinto ensaio

O DESTINO DA GAIA NAU E DE SEUS TIMORATOS PASSAGEIROS.


(A Segunda grande catástrofe)

1* É melhor saber, ou não saber o que nos aguarda? Quem saberá dizer? Aqui nesta nau, não há capitães, imediatos, pilotos ou marujos, somos todos passageiros, pois nenhum de nós pode alterar seu curso um milímetro sequer! Daí advém o medo e a insegurança, quando deste fato tomamos conhecimento, principalmente ao nos lembrarmos do ocorrido com o planeta há 65 milhões de anos em Yucatlan, no México. Assim, quanto ao que vier de fora, somos completamente indefesos... E quanto ao que acontecer dentro de sua atmosfera? Existirá uma alternativa? Quem saberá dizer? Quem estará certo? Aquele que procura saber com afinco e tenta ir fundo, ao âmago da questão, ou aquele que vive como se tudo estivesse ocorrendo às mil maravilhas com o planeta?
A EVOLUÇÃO...
2* O homem evoluiu e já adquiriu razoável conhecimento, pois saiu das cavernas há mais de dez mil anos, e hoje tenta chegar a Marte, o mais amigável planeta do sistema Solar! Já foi à Lua, e suas máquinas já chegaram à maioria dos planetas e seus satélites. Mas para adquirir esse conhecimento, criou condições para que uma grande catástrofe o espere num futuro bem próximo... Qual o real valor desse conhecimento? Qual o real posicionamento da episteme humana com relação ao nosso futuro e em que grau de evolução esta episteme está? Sou de opinião que os que negam a proximidade da catástrofe, em parte o negam por interesse financeiro, principalmente as grandes corporações industriais e financeiras; os indivíduos, o negam por três motivos: 1) Por medo, 2) Por interesse, por dependerem dessas corporações, 3) Por desinformação.

3* No quarto ensaio, não dei grande ênfase à linha de raciocínio assumida naquele texto, que, diferentemente deste, por não ser uma divagação metafísica, mas a abordagem de uma realidade científica, eu agora o faço com ênfase, pois, aqui, defendo um posicionamento filosófico-científico. Não se trata mais de uma opinião metafísica pessoal, mas de uma realidade, uma dura realidade humana, uma verdade axiomática que está sendo vivida por “parte” e que mais tarde será vivida por toda a humanidade.

4* O que vemos hoje, quanto às modificações do clima, é somente o princípio das dores. Analisemos o que provoca a alteração do clima! A lógica, os fatos e os números aqui levados ao conhecimento dos leitores são oriundos e comprovados pela episteme universal humana, ou seja, pela ciência criada por esta mesma humanidade e nada mais. Veremos, adiante, que não há como refutar tais fatos. Atualmente beiramos os sete bilhões de almas! Como chegamos a tão grande número? Isto é fácil descobrir! Primeiro é necessário conhecermos o quanto éramos em datas pretéritas e específicas. Os acontecimentos no “intermezzo” dessas datas nos esclarecem, de forma simples e cabal, o porquê de tais crescimentos demográficos, se lentos ou rápidos! Aqui tratarei unicamente da realidade planetária “pura e simples” e nada mais. Segundo pressupõe e nos ensinam as ciências “geo-paleo-antropológicas”, há 70 mil anos não passávamos de trinta mil seres humanos residindo em nichos ecológicos de sobrevivência; éramos o que restou de um grande desastre planetário. O número de seres em datas que antecedem os 74.000 anos, no momento, não vem ao caso. Quarenta e quatro mil anos depois, portanto há trinta mil anos, éramos “quando no máximo” dois milhões de seres em todo o planeta. Quando chegamos aos dez mil anos (a.C.), isto após a saída de uma era glacial, já éramos uns trinta milhões de seres; no ano 0 (zero) da era Cristã, já somávamos trezentos milhões de seres, este último número está embasado em cálculos e extrapolações dos censos que os romanos fizeram em torno do ano 0 (zero) de nossa era. Então não temos como não aceitar estes números! Para uma mais fácil compreensão deste vertiginoso crescimento da humanidade, que, em dois mil cento e poucos anos, saltou de trezentos milhões para sete bilhões de seres, faremos uma tabela, que facilitará o entendimento, a visualização e a análise desse fenômeno do crescimento demográfico planetário. Também é necessário que estabeleçamos e analisemos este crescimento em diversos períodos (notáveis por si mesmos). Esta notabilidade é fruto de fatos marcantes dentro do desenvolvimento da própria humanidade. Vejamos nossa tabela logo a seguir:



TABELA DEMONSTRATIVA DO CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO DA HUMANIDADE DESDE 74 MIL ANOS AEC ATÉ OS DIAS DE HOJE
INÍCIO DO
PERÍODO
Nº DE HABITANTES
PERÍODO ANTERIOR ATÉ ESTE
CRESCIMENTO ANUAL MÉDIO
DE “SERES”
TOTAL DO
CRESC.
NO PERÍODO
TIPO DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE
FATOS MARCANTES
DO PERÍODO
74 MIL
(A.C.)
30.000
?
?
?
PALEOLÍTICA SUPERIOR
CAVERNÍCOLA
ERUPÇÃO DO
VULCÃO TOBA NA ILHA DO MESMO NOME, NA INDONÉSIA

30 MIL
(A.C.)
2 MILHÕES
44 MIL ANOS
45
1 MILHÃO E 970 MIL
PALEO. SUP.
NÔMADE E CAVERNÍCOLA
PINTURA RUPESTRE
10 MIL
(A.C.)
10 MILHÕES
20 MIL ANOS
400
8 MILHÕES
. SUP.
INVENÇÃO DA LAVOURA
ANO ZERO
= A.D.
300 MILHÕES
10 MIL ANOS
29.000
290 MILHÕES
ERA ATUAL
GUERREIRA,
RELIGIOSA,
AGRÍCOLA
PEQ. INDUST,
NASCIMENTO DE CRISTO
1500 (D.C.)
600 MILHÕES
1500 ANOS
200.000

300 MILHÕES
GUERREIRA,
RELIGIOSA,
AGRICULTURA FEUDAL
DESCOB. DAS  AMÉRICAS.
INÍCIO DA
CIÊNCIA
1800 (D.C.)
1 BILHÃO E 200 MILHÕES
300 ANOS
2 MILHÕES
600 MILHÕES
GUERREIRA, RELIGIOSA,  E
INDUSTRIAL
DESENV. CIÊNCIADA
INDUSTRIA E DA CIÊNCIA
1950 (D.C.)
2 BILHÕES E
500 MILHÕES
150
ANOS
8 MILHÕES E 667 MIL
1 BILHÃO E 300 MILHÕES
GUERREIRA RELIGIOSA E
TECNOLÓGICA
FÍSICA QUÂNTICA E
RELATIVISTA
1987 (D.C.)
5 BILHÕES
37 ANOS
83 MILHÕES
666 MIL
2 BILHÕES E 500 MILHÕES
GUERREIRA
RELIGIOSA
TECNOLÓGICA
ADVENTO DA INFORMÁTICA E INÍCIO DA
GLOBALIZAÇÃO
2000 (D.C.)
6 BILHÕES
20 ANOS
50 MILHÕES
1 BILHÃO
GUERREIRA,
RELIGIOSA, TECNOLÓGICA,
INFORMATIZADA.
GLOBALIZAÇÃO,
INFORMÁTICA,  TERRORISMO
2005 (D.C.)
6 BILHÕES
500 MILHÕES
5 ANOS
100 MILHÕES
500 MILHÕES
GUERREIRA
RELIGIOSA, TECNOLÓGICA,
INFORMATIZADA.
GLOBALIZAÇÃO,
INFORMÁTICA,  TERRORISMO
2007 (E.C.)
6 BILHÕES E 700 MILHÕES
2 ANOS
100
MILHÕES
200 MILHÕES
GUERREIRA
RELIGIOSA TECNOLÓGICA,
INFORMATIZADA
GLOBALIZAÇÃO,
INFORMÁTICA, TERRORISMO
2018 (E.C.)
7 BILHÕES E 600 MILHÕES
11 ANOS
100
MILHÕES
1 BILHÃO 100 MILHÕES
GUERREIRA
RELIGIOSA TECNOLÓGICA,
INFORMATIZADA
GLOBALIZAÇÃO,
INFORMÁTICA, TERRORISMO


5* É possível que esta tabela contenha erros de datas e de números, no entanto qualquer correção não alterará o seu valor como instrumento para demonstrar o crescimento demográfico da humanidade, mesmo porque os dados foram compilados de diversas fontes, às vezes não concordes entre si. De posse desta simples tabela, é possível observar a irregularidade do crescimento demográfico da humanidade, que nem sempre foi ou é provocada pelo próprio homem, como no caso do primeiro fato marcante, quando a humanidade quase desapareceu em função de uma catastrófica erupção vulcânica, fato que não discutiremos aqui.

 6* Há trinta mil anos atrás, só encontramos vestígio fósseis do Cro-Magnon! O que significa que nessa época o Neanderthal, já havia desaparecido, e somente os homens pintores cro-magnonenses deixaram magistralmente registrados, nas cavernas de (Altamira na Espanha, nas de Lascaux e Chauvet, na França e em outras partes da Europa), os testemunhos mais pungentes do seu desenvolvimento cerebral, comprovando definitivamente que seu cérebro já era igualzinho ao do homem tecnológico atual. Embora não sejamos tão velhos, como seres tecnológicos, só começamos a adquirir tecnologia a partir da data em que iniciamos o sedentarismo, há dez mil anos. Por outro lado, como seres com tecnologia avançada somos bem mais novos, do que pensamos. Talvez só tenhamos adquirido alguma tecnologia simplificada a partir da invenção da escrita. A espécie humana, como sociedade organizada, chegou aqui há muito pouco tempo. O que levou o homem a se organizar como sociedade foi a invenção da lavoura, que fixou grandes grupos humanos e permitiu ao homem abandonar o nomadismo. Logo após a invenção da lavoura, o homem deixou de ser coletor e, com o desenvolvimento e o avanço da produção da lavoura, o que permitiu ao homem a domesticação dos animais domésticos, veja que sem o excesso da produção da lavoura! Não havia Como domesticar e criar os animais? Fato este, que levou o homem a abandonar também a caça, sua principal fonte de proteínas. Por volta dos sete mil anos a.C., grandes grupos sociais em todo o planeta já tinham abandonado definitivamente o nomadismo. O fato mais notável que o sedentarismo, fruto da criação da lavoura e da domesticação dos animais, proporcionou ao homem foi a consequente sobra de tempo e o surgimento do que chamamos de ócio. “Bendito ócio”. Antes da ocorrência desses fatos, todo tempo do homem era despendido na caça e na coleta. Com a sobra de tempo e uma melhor distribuição dos diversos afazeres da comunidade, surgiu, em data não conhecida, a invenção da escrita, a qual, depois de desenvolvida, possibilitou que os conhecimentos adquiridos por uma geração! Não somente fossem passados para a geração seguinte. Mas, acumulados de geração em geração! Este novo modelo de guardar o conhecimento e o consequente abandono da ineficiente, memorização e oralidade fizeram com que a humanidade desse um verdadeiro salto no desenvolvimento. O saber humano alcançou píncaros nunca dantes alcançados. Dentro de menos de dez mil anos, nos transformamos de numa sociedade cavernícola e selvagem! Numa sociedade de filósofos e tecnólogos, como nos dias de hoje. Esta é a única explicação plausível para esta rápida modificação no “modus vivendi” do falante. Lembra-te de que nossa espécie desde há 250 mil anos já possuía uma caixa craniana com 1400cm³, portanto, com o mesmo volume dos crânios dos humanos atuais? E provavelmente com o mesmo número de neurônios que possuímos atualmente. O que faltava ao falante, era tempo, somente tempo, e nada mais! Isto lhes foi proporcionado com a invenção da lavoura, alguns talvez não saibam! Mas, existe altíssima probabilidade que tenha sido a mulher a responsável pela invenção da lavoura, tanto que eu sem medo de errar debito à mulher a invenção da lavoura. E porque não! Da escrita também! Segundo não sei quem! A fala coloquial, rudimentar, (trivial), foi desenvolvida por ambos os gêneros de falantes, mas, a fala elaborada, com nuances, interjeições, pronomes, verbos de ligação e outros “tremeliques”, foi inventada e desenvolvida pelas mulheres nos acampamentos, temos que admitir que há 150 mil anos atrás! As mulheres de um acampamento falavam aos gritos, entre si, não somente para serem ouvidas, por todas, é que, (elas não tinham smartphones, ainda!), e também para espantarem os predadores a espreita! Enquanto o grupo de caçadores coletores, saiam no alvorecer, e retornavam no entardecer, quando não dormiam no mato! Todos os caçadores, absolutamente, todos, (imagine! Durante 200 mil anos, todos os dias, caçando e coletando em silêncio para não espantar a caça). Todos iam sempre em silencio, era a norma lógica dos caçadores atuais, para não espantar os animais que serviam de caça ou não! E este era um proceder que abarcava toda a vida dos caçadores coletores, enquanto as mulheres ficavam nos acampamentos cuidando dos velhos e das crianças, elas, iam por costume, tagarelando o tempo todo, foram desenvolvendo a fala, falando alto e sem parar! Elas afugentavam predadores dos arredores, aperfeiçoando as primeiras línguas da humanidade, as mulheres sempre falaram mais que os homens. Então quem inventou e aperfeiçoou a fala humana foram as mulheres e não os homens. E não me venham dizer que as mulheres são intelectualmente menos capazes que os homens, coisa que não tem apoio da lógica, quem melhor exercitou o cérebro foram as mulheres. A fala continuada estimula os neurônios muito mais que caçar em silêncio! Depois que as mulheres inventaram a lavoura, os homens mais fortes fisicamente, tomaram conta da lavoura, com a adoção do sedentarismo, os homens, como sempre mais fortes fisicamente devido ao exercício da caça! Logo na instituição dos primeiros governos, se assenhoraram de tudo, inclusive, escravizaram as mulheres até fins do século XIX. Quem! Quem! Tem razão para discordar?

7* O homem nômade, do nascer ao pôr-do-sol, coletava e caçava todos os dias, continuamente, anos, décadas, séculos e milênios a fio, sob pena de morrer de inanição! E de desaparecer como espécie. De posse do tempo e do surgimento do ócio, o desenvolvimento veio logo a seguir. Com o sedentarismo, os grupos humanos tiveram um notável crescimento em seu número, pois as fêmeas tiveram mais tempo para cuidar da sua prole, que naturalmente passou a ser mais numerosa, o que levou os grupos humanos a criarem e organizarem novos meios de controlar a cada vez mais crescente população. O antigo modelo de chefia tribal não mais atendia às novas sociedades, o mais potente meio de controlar uma sociedade foi e sempre será o medo. Se desaparecerem as leis que nos levam ao cárcere ou, até mesmo à morte, dentro de poucas décadas voltaremos à barbárie.

       Uma verdade que não agradará a muitos!
8* Existe altíssima probabilidade que tenha sido a mulher a responsável pela invenção da lavoura, tanto que eu sem medo de errar debito à mulher a invenção da lavoura. E porque não! Da escrita também! Segundo não sei quem! A fala coloquial, rudimentar, (trivial), foi desenvolvida por ambos os gêneros de falantes, mas, a fala elaborada, com nuances, interjeições, pronomes, verbos de ligação e outros “tremilicos”, foi inventada e desenvolvida pelas mulheres nos acampamentos, temos que admitir que há 150 ou 50 mil anos atrás! As mulheres de um acampamento falavam aos gritos, para serem ouvidas, por todas e para espantarem os predadores à espreita! Enquanto o grupo de caçadores coletores, saiam no alvorecer, e retornavam no entardecer, quando não dormiam no mato! Todos os caçadores, absolutamente, todos, (imagine! Durante 200 mil anos, todos os dias, caçando e coletando em silêncio para não espantar as caças). Todos iam sempre em silencio, era a norma lógica de caçadores atuais, para não espantar os animais que serviam de caça ou não! E este era um proceder que abarcava toda a vida dos caçadores coletores, enquanto as mulheres ficavam nos acampamentos cuidando dos velhos e das crianças, elas, iam por costume, tagarelando o tempo todo, iam desenvolvendo a fala, falando alto e sem parar! Elas afugentavam predadores dos arredores, aperfeiçoando a língua, as mulheres sempre falaram mais que os homens. Então quem inventou e aperfeiçoou a fala humana foram as mulheres e não os homens. E não me venham dizer que as mulheres são intelectualmente menos capazes que os homens, coisa que não tem apoio da lógica, quem melhor exercitou o cérebro foram as mulheres. Depois que as mulheres inventaram a lavoura, os homens mais fortes fisicamente, tomaram conta da lavoura, com a adoção do sedentarismo e a instituição dos primeiros governos, se assenhoraram de tudo, inclusive, escravizaram as mulheres até fins do século XIX. Quem! Quem! Tem razão para discordar?

9* Por esse motivo, todos os primeiros governos do mundo eram político/religiosos. Como o medo está arraigado no íntimo dos seres, logo cedo descobriram que era mais fácil controlar um povo pelo medo do que pela força. Nada causa mais medo ao homem do que o desconhecido. Na Mesopotâmia, entre os povos sumérios, 3500 anos (aC.); acádios, 2700 anos (a.C.); assírios, 2000 anos (a.C.); hititas, 1400 anos (a.C.); Amoritas 1200 anos (a.C.); caldeus 500anos (a.C.); todos os primeiros governantes destes povos eram reis/deuses. Na China, todos os primeiros imperadores eram imperadores/deuses; Em toda a Ásia todos os primeiros governantes seguiram o mesmo caminho. Daí, se origina a grande influência da religião na formação da sociedade humana. Apenas na África, tal fato não ocorreu, nenhum povo africano subsaariano saiu do modelo de governo tribal, talvez em razão do clima e da abundância da flora e da fauna, principalmente pela vastidão da África, onde as diversas etnias podiam viver em tribos isoladas, nunca lhes escasseando os campos de coleta e de caça. A África ficou isolada dos povos escritores da Mesopotâmia por muito tempo. Aqui não trato do norte da África, pois, quando surgiu a organização e a escrita do povo egípcio no nordeste da África, a escrita já tinha sido inventada na Mesopotâmia havia mais de dois mil anos. Por falar em África, surge uma pergunta intrigante a respeito dos povos deste continente: como e por que os povos africanos, mesmo tendo desenvolvido a lavoura, causa primeira sedentarismo, não se desenvolveram nos moldes dos povos da Mesopotâmia? Terá sido pela ausência da escrita? Deve ter sido também em razão da potencial dimensão dos campos africanos, da fertilidade da terra, da abundância das chuvas e da já citada abundância da caça e da facilidade das etnias de se subdividirem em milhares de pequenas tribos. A pujança e a imensidão do território africano permitiam que, até mesmo dentro das mesmas etnias, as tribos se isolassem. Assim, evitavam-se as disputas por território, por campos de caça e, principalmente, evitavam-se as guerras. No entanto, com o passar dos milênios, esta pulverização dos povos em pequenas tribos criou uma miríade de línguas e dialetos, o que dificultou através dos tempos a unificação e o surgimento de uma grande civilização africana, à exceção dos povos que habitaram o norte e o nordeste da África. Mesmo existindo por milhares de anos, os povos mais desenvolvidos do norte do continente não passaram para os povos subsaarianos o modelo de governos organizados. Havia uma grande barreira a separá-los, o quase intransponível deserto do Saara. Assim os povos ditos subsaarianos permaneceram sem a escrita e sem formarem grandes civilizações. Existem vestígios do esforço dos povos subsaarianos da África antiga de terem tentado a edificação de estados organizados, mas, com a ausência da escrita, nenhuma das tentativas logrou sucesso duradouro. Nenhum estado consegue se firmar e se organizar sem o concurso da escrita.

10* Vamos ao caso da China! A China, É uma civilização bastante antiga, fortalecendo-se como governo constituído por meios do governo dinástico.
A história da China remonta ao neolítico 8500 AEC a 2070 AEC, como Dinastia, a sua primeira Dinastia foi a Xia (2070-1600) a segunda foi a Dinastia Shan
(1600-1046).

11* Uma das provas da influência da escrita no desenvolvimento das nações é o fato de que, embora sendo a China a mais populosa nação do planeta, não é a mais desenvolvida. Todo o desenvolvimento atual da China é fundamentado no conhecimento e na tecnologia ocidental, e isto se deve ao fato de que a sua escrita (da fala), não favorece a alfabetização e sua escrita numérica não permite uma matemática avançada (atualmente todos os povos do oriente utilizam a grafia numérica ocidental). A China é uma nação com uma grande maioria de analfabetos. Um número fornecido pelo governo chinês (naturalmente camuflando a verdade), admite haver 116 milhões de analfabetos. O problema é que um cidadão chinês deve saber pelo menos 1500 caracteres chineses de cor (decorados), para conseguir ler e escrever fluentemente, e a grande maioria dos que são alfabetizados em idade adulta esquecem facilmente parte disso e voltam a ser analfabetos.

12* Com o exemplo dos povos africanos sem ter uma escrita e com o exemplo da mais numerosa sociedade humana com uma escrita fundamentada em caracteres ideográficos onde os grafemas se reportam à noção das coisas e não aos grupos fônicos da língua falada, o que gera naturalmente um número enorme de símbolos gráficos de difícil memorização (no chinês são mais de 6.000 seis mil), minha teoria é que a civilização ocidental, embora mais nova que a chinesa, passou esta última de roldão, pela simplicidade de sua escrita, alfabética e numérica. Se o mundo usufrui de 100.000 (cem mil) inventos, a civilização chinesa não produziu nem 100 (cem) desses inventos. A África, nem falar! Nunca acreditei no perigo amarelo. Quando a China se vir com uma população tão grande que não será mais possível alimentá-la dentro de suas fronteiras, a mortandade causada pela fome fomentará o surgimento de pestes e de muitas outras, pandemias, o que não permitirá que esta imensa massa humana deixe suas fronteiras (refiro-me a uma antiga ameaça de uma invasão potencial chinesa à costa oeste dos Estados Unidos em milhões de pequenos barcos). O perigo amarelo pra muitos sempre foi um eterno perigo. Para pessoas lógicas! Sempre foi uma falácia.

13* Se os ingleses no século XIX não tivessem levado a cultura ocidental para a China, com a derrota dos chineses na guerra do ópio – e isto ocorreu nos anos de 1840-1842 – se nenhuma outra nação ocidental levasse o conhecimento ocidental à “Conchinchina” (assim era conhecida a China na época), a China continuaria feudal e atrasada e seria considerada hoje como uma nação de bárbaros. Então todo desenvolvimento atual da China deve-se à ganância dos ingleses. E ainda se considera uma nação como a Inglaterra, como uma nação de povo culto e evoluído! Trucidaram uma nação com ópio, pelo resultado financeiro. Os exemplos se multiplicam pelo mundo afora. Não vejo nenhuma nação que mereça o título de nação evoluída, ou de povo evoluído. Se puserem “gongôlo” nos seres sem evolução espiritual no mundo, ninguém dorme mais neste planeta, seria um tinido só!

14* Voltemos à nossa tabela. No caso do povo ocidental, às vezes o humano exagera na dose, por inventarem uma religião/estado com um Rei/Deus contínuo, pois, quando morre um, elegem outro imediatamente. O que sabemos é que o medo e o obscurantismo duraram aproximadamente 1500 anos. Como esta religião/estado não oferecia nem oferece, até hoje, nada saboroso para o pós-morte dos indivíduos, a população do planeta levou 1500 (um mil e quinhentos) anos para dobrar. Em 1500, a população do planeta era de 600 milhões. Aos 1500 anos d.C., dois monges desta mesma religião se revoltaram com o “status quo” estabelecido, “picuinhas internas”, cobranças de indulgências, batismo, crismas, liberação de penitências em troca de dinheiro, e outras mazelas, se separaram dessa religião/estado, proporcionando uma grande mudança no mundo ocidental. Na realidade, as insatisfações de Lutero e de Calvino teve origem em outro grande problema! É que os monges não tinham acesso às rendas desta região para aplicar em benefício do seu povo local pobre, impedidos ´por esta religião/estado. Portanto a briga foi por dinheiro, e nada mais! O certo é que, com este movimento, iniciou-se a retirada da humanidade do obscurantismo e, em 300 anos, a humanidade voltou a dobrar. Observe a tabela. A humanidade não só dobrou, como evoluiu tecnologicamente. Em 1800, o medo estava quase dominado, naturalmente o fator religioso por si só não tem o poder de controlar ou mesmo retardar uma explosão demográfica, sei que foi o desenvolvimento que motivou, a partir de 1500, a aceleração da explosão demográfica. O que a religião fez ao longo dos séculos foi impedir o desenvolvimento e o surgimento da ciência, o que impedia, por sua vez, o desenvolvimento da saúde e da educação. Tanto é que, a partir de 1800, passados apenas 150 (cento e cinquenta) anos, portanto em 1950, a população voltou a dobrar, passando para 2.500.000 (dois bilhões e quinhentos milhões de habitantes). Acho que o colchão de molas tem algo a ver com isso... Observe que em 30 anos voltou a dobrar, pois, em 1980, passou para 5.000.000 (cinco bilhões de seres). Desta vez o culpado foi o colchão de espuma, ou, talvez, a televisão colorida! De 1980 até 2005, a população mundial vem aumentando em torno de 100.000.000 (cem milhões de seres) por ano, mas todos que tratam do assunto insistem em afirmar que o crescimento demográfico está controlado. Dá pra entender! Deixemos por aqui a questão do controle do crescimento populacional.

           A SEGUNDA GRANDE CATÁSTROFE
15* O certo é que ninguém mais pode afirmar que a situação do planeta é segura quanto à estabilidade do clima. Qualquer pessoa medianamente informada (não é necessário “Ser” culta) percebe que, ao redor do mundo, o clima anda bastante irritadiço! Vejamos: o número de furacões no mar do Caribe vem aumentando assustadoramente... Antes eram em média 17 por ano, em 2008 foram quase 40. As monções na Índia nunca foram tão assustadoras! As monções tão esperadas e que eram tão benéficas estão ficando, a cada ano, mais temidas. A China tem sofrido as maiores enchentes da sua história. Nunca houve um número tão grande de enchentes e de mortes! Na Indonésia, os mesmos descontroles climáticos se repetem a cada ano, nunca houve enchentes como estas d’agora. Os incêndios no estado da Califórnia e na longínqua Austrália estão sendo de proporções nunca vistas. O oceano já começa a se enfurecer em várias partes do mundo, o degelo nos polos não pode mais “Ser” negado. As tempestades de neve no norte dos EEUU têm paralisado constantemente os Yankees. É bom observar que o aquecimento global não provoca somente secas e incêndios! O real e mais forte efeito do lançamento de CO2 para a alta atmosfera é o descontrole do clima, que é o principal resultado do aquecimento global. No momento em que escrevo estas linhas, as grandes metrópoles da Europa estão com suas ruas simplesmente paralisadas pela neve, e o inverno nem começou ainda por lá. Aqui na América do Sul, o clima anda pra lá de amalucado, há poucos anos a região amazônica sofreu uma seca de magnitude assustadora. No Sul do Brasil, quem mais tem presenciado a fúria da natureza é o Estado de Santa Catarina, são furacões, a que chamam de ciclones extratropicais, ou seja, fora de sua “jurisdição” o que vem comprovar que são de natureza anômala. Neste fim de ano de 2008, as chuvas inclementes têm matado e desabrigado parte de sua população. Parece-me que o povo de Santa Catarina está pagando a conta à natureza pelos estragos provocados pelo próprio estado, pelos outros Estados “desmatadores”, Pará, Mato grosso, Amazonas etc. A lei é esta! Não há escolha de local para as diatribes do clima, indiscriminadamente dentro do tempo e do espaço todos hão de pagar suas cotas “de lançamento de CO2” e pagar ao descontrole do clima. As cotas de lançamento de CO2 retornarão como cotas de descontroles climáticos. No princípio, serão pequenas cotas isoladas, quando estas cotas crescerem o bastante, seu efeito será sentido de forma global, aí todos pagarão simultaneamente. Daí advirá o ranger de dentes, e os tão falados “ais”. Muitos pedirão a morte e não a encontrarão! Estamos somente no começo das dores! A grande atribulação está por vir! O sofrimento será tanto que é impossível imaginá-lo ou tentar descrevê-lo. Quando o planeta que nós tentamos matar se enfurecer por completo, dele receberemos uma grande resposta... A resposta será a fúria descontrolada dos elementos, que provocarão a morte de milhões de seres, o número de mortos será em tão grande número que não haverá como enterrá-los, daí se originarão as grandes pandemias que levarão a humanidade ao CAOS. A fuga das populações das pestes advindas das pandemias espalhará estas mesmas pestes por todo o planeta. Aí será o CAOS do CAOS. Então advirá o fim, já não adiantará rogar a Deus nem aos Santos nem aos Querubins.

16* Ainda me aparecem alguns néscios a se intitularem de “Céticos” dizendo que está tudo normal! Mereciam uma orquiectomia!!!... Bem que mereciam...


Edimilson Santos Silva Movér
Vitória da Conquista, Bahia, 
19 de dezembro de 2008.


0 comentários:

Postar um comentário