segunda-feira, 30 de julho de 2018

MUDANÇA DE PLANO - ROTEIRO CINEMATOGRÁFICO



DA SÉRIE: ENSAIOS QUE NOS LEVAM A PENSAR
Subsérie: A real história da ciência do homem.


MUDANÇA DE PLANO
 ROTEIRO CINEMATOGRÁFICO 

Como se iniciou o desenvolvimento tecnológico da sociedade humana, com a ajuda vinda das estrelas.

LISTA DE:
EQUIVALÊNCIAS CRONOLÓGICAS,
EQUIVALÊNCIA DE NOMES,
EFEMÉRIDES IMPORTANTES, NOS DOIS SISTEMAS PLANETÁRIOS,
DATAS IMPORTANTES,
ACONTECIMENTOS,
RELAÇÃO DE VALORES ASTRONÔMICOS,
A BIOGENÉTICA DAS DUAS RAÇAS.

1)  Terra = 3º Planeta do sistema Saptra 9 e também chamado pelos driônidas de Vienlod devido a estrema maldade de seus habitantes. Sendo considerado por vários povos da galáxia como: Um povo bárbaro e subdesenvolvido. O contato é evitado por proibição, as únicas permissões são controladas: Inclusive, as visitas para estudos, mas, nunca são permitidos contatos diretos. 
2)  Sol = Estrela central de 5ª grandeza, do sistema chamado pelos alienígenas de Saptra 9 de Vuirt.
3)   Máquina Kruidrônica = Máquina inteligente dos povos driônidas.
4)   Nome do nosso sistema solar = Saptra 9 de Vuirt, (Órion), ou seja! Nono sistema contatado de Órion.
5)  Sistema alienígena = Liard 7
6)  Órbita do satélite Kutron, a partir do centro do planeta Vienlod = Órbita de 41.700 Km – Órbita mantida por constantes correções astronômicas no plano da eclíptica dos planetas do sistema, a 18 graus. Passando de ano em ano no equador celeste, o que permite uma cobertura completa da superfície do planeta Vienlod.
7)  O satélite kutron utiliza a energia de Saptra, o sol central do sistema para manter-se eternamente em órbita.
8)   O Satélite kutron emite não cifrados, abertos a todos os povos da galáxia a cada 21 horas terrestres equivalentes a 27,31 horas driônicas. Informando a todos os povos da galáxia que vienlod está sob a atenção e cuidados de uma espécie de (Federação Driônica). Único motivo de não sermos visitados por outros povos da galáxia. Quem passa por Vienlod, (Terra), passa ao largo, e segue viagem.
9)   3º Planeta alienígena  = Drion, gentílico = driônidas
10)             4º Planeta alienígena = Mádrion, gentílico = madriônidas
11)             Vienlodita = Terrestre.
12)              Diâmetro de Drion = 16,3 mil Km.  Massa = 6,9 sextilhões de toneladas. “verificar cálculos”
13)            Diâm. de Mádrion  = 11.570 mil Km. Massa = 6,02 Sextilhões de toneladas.
14)       Diâmetro da Terra = 12.756 mil Km. Massa = 5,97  
          sextilhões de toneladas. Densidade média = 5,51 g/cm³
15)            Ano de Drion = 342,8 dias driônicos = 490,204 dias terrestres.
16)            Ano de Madrion = 423,67 dias driônicos = 605,8481 dias terrestres.
17)            1 dia driônico = 1,43 dias terrestres.
18)            1 dia madriônico = 34,32 horas terrestres.
19)            1 ano driônico = 3,62 anos terrestres.
20)            1 ano madriônico = 1.322,205 dias terrestres.
21)            1 ano vienlondita = 1 ano terrestre.
22)            Data do plano inicial = primeira visita a Vienlod 9.620 anos  
           (aC.)
23)            Data da mudança de plano = 459 anos (A.D.)
24)            Data da invenção da imprensa de Gutemberg = 1439 (Ad.).  
           Portanto, 10 séculos depois da mudança de plano.
25)            Data principal da química moderna: Com a obra do cientista 
           irlandês Roberto Boyle:  The Sceptical Chymist (1661). 
26)            Data do início do desenvolvimento da matemática moderna 
           com a publicação do livro "Aritmética Comercial", Sendo a  
           primeira vez que se utilizou os símbolos de + e de - na 
           aritmética, isto, no ano de 1489 por João Widman, nascido  
           na  Boêmia, no ano de 1460 em Eger.
27)            Verificar todos os cálculos. Ver anuário astronômico
                               
MUDANÇA DE PLANO

Relato de como realmente seja a única e verdadeira história do desenvolvimento científico da sociedade de Vienlod ou Terra, o terceiro planeta de Saptra 9, ou Sol. Sabemos que o falante terrestre em quinhentos anos (1500-2000), saiu do mais completo desconhecimento da ciência, do mais completo obscurantismo científico, atingindo as duas físicas, relativista e quântica, como também, desenvolveu a astronáutica. Tudo fruto da metalurgia e da matemática avançada, desenvolvida neste mesmo período. Fato notável, para uma sociedade que há menos de dez mil anos era completamente nômade e cavernícola, nalgumas circunstâncias. 

PASSADO REMOTO DOS VIENLODITAS:

1* Num passado remoto: de 4,5 milhões de anos em Vienlod, uma espécie animal dava os primeiros passos para se tornar o futuro e bem sucedido homem bipedalista. Recentemente, foi descoberto e estudado pela paleoantropóloga inglesa Meave Leakey (1942- ) da Universidade Stony Brook, um simples, mas, importante fóssil, fóssil este, que foi nominado de Australopithecus Anamensis, sendo o Anamensis 500 mil anos mais antigo que o Australopithecus Afarensis. Portanto, a história do bipedalismo da futura espécie falante, remonta à mais de 4,2 milhões de anos.

2* Num passado remoto: de 2,4 milhões de anos, este “Ser”, então, já nominado de “homo erectus”, e com completa postura bipedalista, fez as primeiras ferramentas elaboradas. Temos como exemplo principal, mas não único, o machado achelense, tornando-se um hábil caçador, sobretudo, melhorando sua ingestão de proteína animal, destarte, criando melhores condições de sobrevivência e permanência da espécie no planeta. Talvez, esta nova e bem sucedida condição de caçador, não o tenha levado a pensar, mas, o levou até ao tempo em que começou a pensar e abandonar o instinto. 300 mil anos (aC.)

3* Num passado remoto: de 1 milhão de anos, com início em 2,4 milhões de anos, completou-se a oposição do polegar, da espécie classificada pelos próprios veinloditas de “homos erectus” tornando suas mãos completamente preênseis, transformando-se no “homo faber”.

4* Num passado remoto: De 300 a 250 mil anos, os seus fósseis nos mostram os primeiros sinais da inteligência primitiva, iniciando o abandono do instinto, passando a ser o único animal pensante do planeta. Já como “homo sapiens”

5* Num passado remoto: de (11,6 mil anos, a.C.), anos vienloditas ou terrestres, foi posto numa órbita terrestre de (41.700 Km), ou seja, de 6,57 raios terrestre, com um ângulo de 28,5 graus em relação ao equador, cobrindo todos os continentes num foco vertical, foi posto o satélite Kutron provido de uma máquina inteligente kruidrônica, isto, foi feito pelo povo alienígena driônida. Sua principal função era rastrear o desenvolvimento da única raça inteligente, (embora primitiva), existente no 3º planeta do sistema Saptra 9.

6* A partir de um passado muito remoto, anterior aos 30 mil  anos vienloditas: Os alienígenas driônidas, habitantes de Mádrion e Drion nos visitaram muitas vezes, quando aos 11, 6 mil anos tomaram a decisão de estacionar o satélite Kutron utilizado para observação de diversas raças primitivas, por eles contatadas em diversos sistemas planetários na galáxia. Os povos driônida, já obedeciam a um plano por eles traçado e iniciado há 800 mil anos vienloditas, de proteção e desenvolvimentos de povos primitivos encontrados na galáxia, isto em torno do braço Vuirt que o povo vielondita chama de Órion.
 Observação: Drion e Mádrion, equivalem às nossas expressões: “Terra” e “Terra Nova”. Estes planetas são habitados por uma única raça, chamada por eles de “Russelts. Mádrion foi tornado habitável pelos driônidas há 1,2 milhão de anos Vienloditas, quando iniciaram suas viagens pela galáxia

7* Num passado nem tão remoto, a subespécie humana, “homo sapiens sapiens” no século XV da nossa era foi classificado pela máquina inteligente kruidrônica, como apta a receber a invenção dos tipos móveis para reprodução da escrita manual.  A máquina inteligente kruidrônica ativa no satélite Kutron, julgou nesta data início do século XV, como uma espécie apta para receber os primeiros rudimentos da ciência driônida e, então teve início a transferência da ciência driônida para o povo da Terra, primeiramente com o desenvolvimento de um modo de divulgação e universalização desta nova ciência com o ensinamento ao gráfico Johannes Gutemberg de como resolver o problema da impressão com tipos móveis em 1439.  Àdiante, descreveremos como isto se processou. Uma tentativa anterior noutra parte do planeta não obteve êxito, devido ao pouco desenvolvimento tecnológico do povo local, especialmente na área da metalurgia.

A MUDANÇA DE PLANO

8* Leitura do bloco de instruções contidas na lâmina de memória implícita do modelo kruidrônico enviado no início do século XV ao terceiro planeta nominado de VIENLOD, pelo povo driônida, planeta este do sistema Saptra 9. É interessante e necessário observar que ambos os sistemas solares, Saptra 9 e Liard 7 estão localizados no braço de Órion. Portanto, bem próximos em termos galaxiais.

       1) A ORIGEM DO PLANO NUM PASSADO REMOTO:
9* O Plano deve-se a resolução da sociedade driônida de interferir no desenvolvimento muito lento dos habitantes de Vienlod (ou Terra). A ativação de um satélite de monitoramento de “lógica kruidrônica”, no ano de 9.620 (aC.), de nome Kutron que significa em linguagem driônida “Vigilante”. Ele foi enviado e posto numa órbita elíptica com altura média de (31.700 Km) do centro do terceiro planeta do sistema planetário Saptra 9 - Esta ativação se deu 800 antes do tempo previsto pela lógica das máquinas kruidrônicas.  Pois estava prevista para o ano 8.820 (dC.)

        2) O POVO ALIENÍGENA E O PLANO:
10* No sistema planetário Mádrionlita existe 6 (seis) planetas, destes, somente dois podem ser habitado, Drion com melhores condições foi onde se desenvolveu a vida. Mádrion foi habitado muito tempo depois por imigração. Em Mádrion uma raça comum a todo o cosmos, chamada de “Russelts” sofreu uma mudança genética programada pelas máquinas kruidrônicas num tempo passado equivalente a 8 milhões e seiscentos e doze anos terrestres. Este povo, hoje chamado de Mádrionidas após quase sete milhões de anos do desenvolvimento da técnica das viagens interestelares, já visitaram quase 1,6 % da imensidão de planetas existentes nos sistemas planetários de nossa imensa galáxia, que possui uma dimensão de 100 mil anos luz. Já o nosso universo possui dimensões completamente diferentes das medidas feitas com a luz dos corpos mais distantes, por nós observados. Na realidade, pode-se dizer! Nada sabemos sobre nosso universo. A primeira consideração tomada pelo “PLANO”, é de que: (Tudo obedecerá às leis universais que regem a criação da vida) E assim, sempre será feito.

   3) O PLANO ORIGINAL:
11* Estabelecer um sistema de vigilância no terceiro planeta do sistema Saptra 9, como é feito em muitos outros sistemas habitados, onde os seres ainda não desenvolveram inteligência suficiente para que possam ser visitados.
Só interferir na evolução dos seres, quando alcançarem o patamar (9). Que pressupõe: desenvolvimento de uma fala inteligente, escrita correspondente, domínio básico da tecnologia dos metais. Pois, somente depois disto estarão habilitados ao entendimento de: Física básica, química básica, metalurgia avançada, eletromagnetismo avançado, Por experiência com outros povos contatados, os Mádriônidas perceberam que desenvolvimento e conhecimentos tecnológicos, transferidos aos diversos povos da galáxia, são melhores absorvidos, se forem passados, devagar e paulatinamente, e de forma cumulativa, dentro de um tempo mínimo de 50 (cincoenta) a 70 (setenta) séculos de tempo vienlodita, ou terrestre.
O plano original compreendia o envio de um “Ser” Madrionlita para através dos séculos ensinar as técnicas adequadas a um desenvolvimento científico. Compreendendo as seguintes etapas:
Em primeiro lugar: Ensinar uma técnica para universalizar o conhecimento através da facilitação das diversas escritas existentes entre os diversos povos existentes em Vienlod.
Em segundo, ensinar rudimentos de física, de química, de eletromagnetismo e principalmente ensinar matemática avançada. O Conhecimentos de física de partículas e de relatividade deverão ser desenvolvidos com o passar dos tempos pelos próprios naturais do planeta.
A ciência que os vienloditas chamam de humanismo, será, e é consequência do procedimento natural de todo povo da galáxia. Isto não cabe ao plano de desenvolvimento dos povos ainda abaixo do patamar (9).

         4) A MUDANÇA DE PLANO:
12* No planeta principal Mádrion: Foi proposta uma viagem programada para o terceiro planeta ainda sem nome do sistema Saptra 9, único na zona habitável deste sistema, mas, extremamente promissor! No entanto, surgiu a necessidade de uma mudança no plano original, em função da descoberta feita pelas máquinas de lógica Pondukrek, através de dados transmitidos pelo satélite orbital automático deixado na terra à 10.686 anos, e que foi reativado pelos primeiros sinais de rádio emitidos pelos humanos no ano terrestre de 10.570 na contagem do satélite Kutron, equivalente ao princípio do século XX. Estes dados revelaram, desde o princípio, que os seres inteligentes do terceiro planeta da estrela Saptra 9, possuem uma duração biológica máxima de vida de somente 1/28 avos da média de vida dos seres da raça descendente dos Mádrionlitas, o que equivale a 100 anos terrestres. Hoje, os Mádrionlitas é a única raça existente em Drion. O planeta da raça dos Mádrionlitas de nome Mádrion foi destruído pelo impacto de um asteroide. Este impacto se deu há 32.936 anos driônicos. Restando neste sistema duplo de sóis esta única colônia da raça Mádrionlita em Drion. Na atualidade, denominados de povo driônida.
13* A mudança no plano original foi motivado pelo fato da lógica das máquinas pondukrek preverem uma eminente e devastadora guerra nuclear, pondo em risco a biosfera e a vida inteligente no terceiro planeta de Saptra 9. Todos os povos inteligentes da galáxia Pondukrek (Via láctea) pertencem a uma única espécie a que o povo de Drion chama de “Ruselts”, e no planeta Kruidro seus habitantes os chamam de humanos. Assim, a única raça inteligente na Via Láctea tem uma origem comum. 
14* Neste planeta distante chamado Drion, que orbita uma estrela chamado Gruon, que junto a outra estrela de nome Trala, e que formam mais um dos inumeráveis sistemas binários, tão comuns no universo! Foi estabelecido um plano segundo o qual criariam um “Ser” geneticamente modificado, a que denominaram de Revom, para solucionar o impasse surgido com a descoberta das máquinas Pondukrek de que está extremamente próximo o fim da vida, e obviamente dos habitantes inteligentes do terceiro planeta da estrela Saptra 9.

15* REVOM chegou ao planeta Terra com a idade física equivalente a de um nativo terrestre de 20 anos, e isto se deu pelo calendário terráqueo no ano de 1330. Decorridos 685 anos, Revom está hoje, no ano de 2015, na sua oitava modulação com uma idade física terrestre de 75 anos, mas, com uma idade física real de 342 anos driônicos. Equivalentes a 615 anos terrestres Revom possui conhecimento de que seus irmãos driônidas estão a caminho do planeta Terra, e de que antes de 15 anos (a partir de 2015), deverão chegar, ele também sabe que este é o tempo terrestre que lhe resta de vida, se não for resgatado em tempo hábil para que as máquinas de lógica Pondukrek altere seu sistema biológico para o sistema driônida, ele desaparecerá neste fluxo de existência programado pelas máquinas de lógica Pondukrek equivalente a somente 1/5 do que normalmente viveria em Drion. E assim seu organismo com uma estrutura interna (a que chamamos de estrutura óssea feita de cálcio), e que é originalmente feita de metais leves em seu planeta de origem, permanecerá com a estrutura de cálcio atual, pois, ela foi alterada para o elemento cálcio, para que ele pudesse viver confortavelmente na gravidade do seu novo habitat a Terra. E os seus restos mortais ficarão para sempre no que restar do planeta Terra após o CAOS. Naturalmente salvo se uma segunda mudança de plano se tornar necessária, e for programada pelas máquinas Pondrukrek. O que não o preocupa, pois, tais máquinas o clonarão, assim que se tornar necessário, e isto se dará em seu planeta Drion.

16* No seu planeta citado, e de origem, chamado de DRION, a sua viagem foi adiada por 18 oito circunvoluções (anos), de seus duplos Sóis. Lá os anos são contados pelas circunvoluções dos Sóis, e não pela sua translação em torno do planeta Druon. Isto é motivado principalmente pelo atraso na translação que ocorre no apogeu da elipse percorrida entre os dois Sóis. Estes 8 anos driônidas são equivalentes a 14,8 anos terrestres. Este adiamento tornou-se necessário depois de ter sido completada a interpretação pelas novas máquinas de silício de lógica Pondukrek, de um dos mais falados entre os inúmeros idiomas que o satélite de observação retransmitiu para Drion, e de que neste estranho planeta são utilizados mais de 6800 idiomas, e de que sua principal característica, é viverem eternamente em discordância, ali não há o que mais a civilização Saptrarena preza e defende! Que é a paz. Defendem-na e não a conseguem.
“O gabinete de estratégia para colonização e resgate de vida” do setor interno do braço de Véteron (Orion). Utilizando a lógica kruidrônica apoiada na lógica das máquinas Pondukrek, pediu em última instância e hora, ao Órgão do Governo Saptrarreno de Resgate de Vida do Sistema do Braço de Véteron, (Orion).
Órgão este, Instalado no planeta Drion, uma mudança nos planos para a primeira viagem interestelar de observação, e possível colonização ou talvez resgate da vida inteligente instalada há exatos 149.189 anos driônidas, equivalentes a 276 mil anos do terceiro planeta da estrela Saptra 9, pelo governo Saptrarreno. Nesta primeira viagem saptrarrena a Terra, ainda não existia em Drion os modelos atuais das máquinas de lógica Pondukrek, e a gravidade do planeta não permitiria uma permanência duradoura dos saptrarrenos.

17* Assim, se resolveu fazer uma mudança na estrutura genética nos primatas mais evoluídos encontrados no planeta, somente em seu sistema neuronal, e aguardar esta alteração produzir seus efeitos, principalmente na enteléquia da espécie, e na duração da vida de cada indivíduo. Isto foi programado pra ocorrer lentamente, através dos milênios.
Esta viagem estava programada para o próximo alinhamento do wormhole de g14 com o sistema da estrela SAPTRA 9, a que os habitantes do terceiro planeta em suas transmissões chamam em sua principal língua de “Sum”. A demora foi provocada pela necessidade de se adaptar biologicamente o organismo do único driônida a gravidade do planeta e ao sistema de duração de vida dos terráqueos, que é extremamente curta em relação a vida dos driônidas. Os biólogos de Véteron, planeta do Governo Central e que dá nome ao braço, descobriram assustados que a duração da vida dos terráqueos continuava extremamente curta, não passando de um vigésimo da sua, confirmando assim, que as alterações procedidas para modificar a duração da vida, não surtiram o efeito desejado e esperado. O redirecionamento da atenção dos driônidas ao terceiro planeta de Saptra 9 (Terra), estava, e foi dependente e programada pelas máquinas kruidrônicas antigas.

18* O descobrimento do terceiro planeta (Terra) e de que ele estava na zona habitável da estrela SAPTRA 9, (Sum), ocorreu há mais de 149.189 circunvoluções, (anos), de suas estrelas duplas TRALA e GRUON, que possuem volumes distintos, mas, massas equivalentes, o que resulta em movimentos múltiplos e síncronos, girando os dois astros em torno do seu ponto de gravidade nula. Assim, Drion orbita Trala imune a gravidade de Gruon, somente no apogeu de seu acentuado movimento elíptico é que a sua temperatura aumenta levemente, não impedindo nem interrompendo a atividade da “humanidade” ultra-avançada deste único mundo habitado do sistema binário Trala/Gruon.
O sistema Trala/Gruon está distante do sistema Solar Saptra 9 (Sum), 38,42 anos luz na direção da ponta mais externa do Braço de Véteron (Órion), estando este sistema localizado exatamente no eixo do braço. O rastreamento constante de todos os planetas em que se fez alterações genéticas nas espécies nativas vem mantendo as máquinas kruidrônicas informadas quando cada espécie emite seus primeiros sinais de rádio, e isto só foi conseguido pela espécie do terceiro planeta de Saptra 9 , há 75 anos, e em meio a uma guerra generalizada entre os diversos povos deste planeta. Portanto estas transmissões só chegaram a Drion há aproximadamente 37 anos. Numa reunião de cunho emergencial o Governo Central Saptrareno em Véteron decidiu dirigir sua atenção para este planeta (terceiro de Saptra 9), as últimas informações chegadas as máquinas kruidrônicas acionou todo sistema de defesa da vida no sistema estelar saptrarreno. Onde se decidiu, (para melhor entender o que ocorre), instalar uma vigilância a partir do passado distante, quando a viagem pelo mais próximo Wormhole estava pronta para acontecer, chegaram as informações da duração da vida da espécie nativa, que já estava sendo tratada pelos cientistas driônidas, de os “bárbaros”.

19* Seguindo a lógica proposta pelas máquinas Pondukrek, se estes nativos se destruíssem, conforme ameaçavam! O problema estaria resolvido, senão! Teria que ser feito um reestudo, e, através de uma incursão ao passado do terceiro planeta com a introdução de um observador biológico alterado para que com isso pudesse ser encontrada uma solução que atendesse as leis universais de sobrevivência das espécies inteligentes da Galáxia. Tomou-se emergencialmente, devido a brevidade dos prováveis acontecimentos futuros no (terceiro planeta de Saptra 9), as seguintes resoluções:
Estas informações a seguir enumeradas foram passadas por via genética ao espécime clonado Revom. Que seria o único espécime transladado juntamente com uma máquina de atomidiacrônise reversa molecular por um Wormhole próximo com vetor previamente direcionado para o terceiro planeta de Saptra 9.
Alterações transmitidas geneticamente a Revom, único modelo driônida modificado de número 94038.

         INSTRUÇÕES GERAIS PARA A MEMÓRIA IMPLÍCITA DO  
         “SER” MADRIÔNICO REVOM.
20* Serás enviado para o terceiro planeta da estrela Saptra 9, através de uma “dobra do tempo” reversa, embutida através de uma máquina de atomidiacrônise reversa pelo wormhole de número 246DV (Drion/Véteron). Esta reversão o levará ao passado, para o ano local terrestre de 1425 como um espécime chamado de (Revom), com as seguintes caraterísticas físicas, e morfo/biológicas previamente adaptado para as múltiplas reversões programadas da seta da existência crescente, e para reversões decrescentes, isto, quanto ao longo ciclo biológico dos elementos: oxigênio, hidrogênio, carbono, nitrogênio, cálcio, fósforo, enxofre, potássio, cloro, magnésio e cloro e demais componentes da base do ciclo vital. Teu primeiro ato terá início em 1432 com uma interação com o humano Johannes Gensfleisch zur Laden Zum Gutemberg. Existiram vários Johannes Gutemberg na cidade de Mogúncia, no que chamam hoje de Alemanha, terás que te comunicar com este vienlodita acima, e de nome longo. Na data de 1430, terás 9 anos para agir. Como dizem os terrestres, não podemos perder o trem da história! Lembrar sempre de que a próxima janela de dobra do tempo só ocorrerá em 2348 AD. Época em que os vienloditas já alcançaram a fase 6.

21* Terás, morfologia externa semelhante à dos terrestres.

22* E também, terás características biológicas internas exatamente iguais a dos terrestres, para evitar ser identificado por futuros equipamentos eletrônicos, que ainda serão inventados pela espécie terrestre nos séculos (XX e XXI), da cronologia vienlodita.

23* Teu ciclo biológico terrestre completo com reversão crono/biológico, será em 9 reversões nos dois sentidos da crono-seta de: inicia com: (20>100), 1º(100>20), 2º(20>90), 3º(90>30), 4º(30>80), 5º(80>40), 6º(40>70), 7º(70>50), 8º(50>60) e por último o 9º(60>50), não contando o primeiro crono<>seta, de 20 a 100, que não é uma reversão. E que “inclusive”, somados perfazem 450 anos terrestres.
Na chegada em 1625 terás a idade semelhante a de um terrestre normal de 20 anos. (Refazer acerto nesses ciclos)

24* Para solucionar o problema dos aspectos físicos morfológicos naturais aos driônidas, que mudam de forma e de aspecto ao longo de suas vidas, e que tem duração aproximada de 1350 anos driônidas, equivalendo a 2500 (dois mil e quinhentos anos vielonditas, taxa de (1,852) anos terrestres. Sua estrutura genética no seu (DNA), será alterada para viver 450 anos terrestres, mas, da forma relatada antes, adianto que, com aspecto morfo-biológico, semelhante e pertinente à crono-seta primeira.

25* Sua vida será dividida em 9 (nove), fases distintas, obedecendo as datas e modelos adiante descritos, no momento, só possíveis devido aos avanços conseguidos na área da genética pelas novas máquinas de lógica Pondukrek. Sendo esta a única possibilidade de se salvar a espécie primata hominídea modificada biologicamente por nossos antepassados há exatos 149.189 anos driônidas, equivalentes a 276 mil anos do terceiro planeta da estrela Saptra 9, estrela esta, que seus habitantes mais evoluídos tecnologicamente, chamam de Sum.

26* A primeira fase, decorrente entre 1425 a 1625 completa um ciclo programado anteriormente, não podendo ser mudado pela Pondukrek, salvo com algum risco para tua integridade física, a máquina Pondukrek não arriscará! Assim, o primeiro ciclo iniciar-se-á em 1625, sendo configurado para a duração crescente do organismo, que será de 100 anos terrestres, como o novo espécime vai sair da Pondukrek e chegar ao planeta Vienlod/Terra aos 20 anos de idade, em 1625. Durarás 80 anos de vida terrestre no primeiro ciclo ao invés de 100, como nos ciclos posteriores, então! Aparentarás! Uma vida real de 100 anos (embora com um aspecto bem mais novo que os vienlonditas), em 1725, sua primeira reversão se dará nesta data. Sua permanência, viagens distantes, sobrevivência, alimentação, recursos financeiros, atendimentos médicos por ventura necessários serão fornecidos pela máquina de atomidiacrônise reversa molecular. Que manterás escondida, se possível em local fora do acesso dos terráqueos, mas, sempre ao alcance de um salto seguro de teletransporte molecular quântico. Tendes que obedecer as instruções quanto a evitardes a proximidade da jazidas do elemento 82 da tabela dos vielonditas. O salto pela reversão molecular pluridirecional quântica não se processa através de anteparos artificiais e ou naturais ou na presença muito próxima deste elemento, sendo este elemento o resultado do decaimento de materiais extremamente radioativos.

27* Em 1720 com idade de 100 retrocederás até aos 20 anos, portanto mais 80 anos. E ainda estarás morando em Paris, e o ano será o de 1800. O ideal é que mudes sempre de local de morada nas fases de vida decrescente, mudanças a no máximo cada três anos. Assim evita-se a percepção do teu rejuvenescimento, a máquina de atomidiacrônise reversa molecular te auxiliará nestas constantes mudanças.

28* como em 1800 estarás com 15 anos e entrarás numa fase crescente de 70 anos, irás até aos 85 anos, chegarás aos 85 em 1870. Como não é possível modificar o passado, guardarás na memória toda a história do planeta durante tua existência na Terra aí, e ao fim, transmitirás daí, ou daqui estas informações para as máquinas Pondukrek. Utilizaremos a melhor probabilidade.

29* Em 2075 iniciarás uma fase decrescente de existência que durará 35 anos, portanto estarás no ano de 1960 com 20 anos de idade, fase em que viverás num país em desenvolvimento, e não mudarás de endereço.

Refazer cronologia... lembrar que: a história decorre toda em Vienlod. Portanto, “nós”, se referirá sempre aos vienloditas ou terrestres.

1)  Lembrar que: No Sistema alienígena = Liard 7,  estrela em torno da qual orbita Drion e Madrion, que todas as raças que habitam os planetas dos sistemas avançados espiritualmente, adotam o gentílico referente à estrela central e não aos planetas, a evolução das sociedades traz este costume. Eles se referem e se sentem como pertencentes a um sistema planetário, e não a um planeta em particular.



Início da nova jornada de Revom de distribuição aos saptrrenos, da ciência biológica madriônida, para desenvolver os latentes  6º e 7º “sentidos” de premonição e telepatia dos vienloditas.

Atenção! 
Roteiro cinematográfico ainda em elaboração.

Segue mais intruções,

Edimilson Santos Silva Movér
Vitória da Conquista, inverno de 2018

0 comentários:

Postar um comentário