sexta-feira, 17 de agosto de 2018

O DESENVOLVIMENTO HUMANO - ENSAIO (140)oks


DA SÉRIE: ENSAIOS QUE NOS LEVAM A PENSAR

Subsérie: Prolegômenos às ações de um “doudo” escriba Correia que se dedica a escrever ensaios que se referem às maravilhosas sabedorias e às abomináveis bestagens processadas pelos cérebros dos “sapiens”

 

O DESENVOLVIMENTO HUMANO

 

INTRODUÇÃO

Na verdade, o argumento principal deste “prolegômenos” na forma de ensaio, seria uma defesa velada do direito dos leigos de se imiscuírem nos bruxedos da ciência, e nos caminhos e descaminhos da humana episteme. Um parvo, meu conhecido e, professor de uma instituição de ensino, cujos nomes, não vem ao caso, me perguntou com ar doutoral, se eu estava pronto para ser interpelado por um dos profissionais das áreas em que eu discorria e às vezes opinava! Lhes respondi, que isto não me preocupava, pois, se um deles vier fazê-lo, com certeza é um pretensioso e tolo, pois, o conhecimento existente atualmente no mundo, e que chamamos de episteme, não tem proprietário. E não é passível de ser retido ou enclausurado, nem ser propriedade de uma pessoa, ou de uma instituição de ensino, nem de outra qualquer, ou mesmo propriedade de um governo. Salvo o conhecimento que é desenvolvido na área militar para a defesa de Pátria. Nunca apareceu ninguém para a tal inquirição! Antes, bem antes de começar a escrever, sempre gostei de ler ensaios. Já comecei a escrever como um ensaísta. Sempre fui um ensaísta, nunca adotei ou escrevi outros gêneros literários, assim, sempre foi o que fiz, sabia e penso que sei fazer. As únicas exigências para se conseguir ser um ensaísta mediano como eu o sou, são as seguintes: Possuir alguma familiaridade com o ato de escrever, e uma relativa bagagem cultural! Não necessita ser nenhum polímata, mas, torna-se necessário ter um bom domínio da língua pátria. Deve-se ter bom domínio de cada área da episteme humana. Quanto ao vernáculo, não necessita ser um Antenor Nascentes, um Ruy Barbosa, um Eça de Queiroz, ou um Sírio Possenti, ou ter um doutorado em linguística. A maioria dos escritores, ensaístas ou não, antes de mandar seus escritos ao prelo, quem primeiro lê uma obra, não é o prefaciador, mas sim, o revisor, todos, com raras exceções, mandam suas obras para impressão ou prelo, com revisão de outrem! (No entanto, aconselho conhecer o pensamento do professor e linguista Marcos Bagno), falarei dele logo adiante. Basta ter um pouco de desenvoltura e competência no escrever, isto sim, seria mais que desejável! Qualquer um, pode perder o medo de escrever, medo adquirido pelo pouco domínio da gramática normativa, também, não pode se perder nos labirintos mais elementares da língua! Ou creditar tudo ao diacronismo semântico da língua, ou a um “neologismo exacerbado”. Tem-se que seguir algumas regras básicas, senão o que se escreve fica ilógico e ininteligível, portanto, torna-se inútil, e passa a ser uma dupla perda de tempo, de quem escreve e, de quem se propõe a ler tais escritos. 

 

1”ODH”. A solução que apresento aos novos escribas, é a mesma que solucionou e acabou com o meu medo e temor de escrever!  Basta para tanto, entender o ponto de vista do linguista e professor Marcos Bagno da (Universidade de Brasília) UNB, ponto de vista este, relatado no meu ensaio: Convite para o Enterro dos Meus Fantasmas, postado nesse blog. Se se interessardes, o buscai. A propósito do uso do verbo buscar da frase anterior! A Bíblia possui frases universais, que podem ser aplicadas em muitos casos, tipo as de: (Matheus 7,7), na King James, onde encontramos nestes termos: Pedi, e vos será concedido; “buscai”, e encontrareis; batei, e a porta será aberta para vós. Lindo, o uso da segunda no plural.

 

AS ASSERTIVAS DOS DOIS SÁBIOS:

2”ODH”. Devido à demora e à incerteza da edição deste singelo e sucinto relato dos três “insights”, tive tempo e me vi na contingência de escrever este remate, dando especial atenção a quatro assertivas, duas do físico Stephen W. Hawking e duas do físico Albert Einstein. Isto para facilitar a abordagem do tema e para um melhor entendimento dos meus diletos amigos e leitores leigos, (os doutores já possuem estes conhecimentos), a massa humana “laica” tem o direito de buscar desenvolver o seu conhecimento através da mesma ciência, o que facilita o desenvolvimento geral da humanidade como um todo. Sobretudo na área da tecnologia e no pensar filosófico moderno, isto é, no enfoque do Mundo a partir do início do século XVI, (época dos descobrimentos dos novos continentes). Na verdade, a ciência moderna em todas as áreas teve início no princípio do século XVI. Hoje com o advento da física relativista e da mecânica quântica e da moderna cosmologia, o entendimento do universo e da vida foi multiplicado em muitas vezes, no entanto, ainda estamos distantes de um completo entendimento do universo e da vida. Para chegarmos a esse entendimento completo da vida e do universo, será necessário um "milhão" de anos, ou talvez nunca cheguemos, quem saberá!

 

Stephen William Hawking, pensava assim, sobre o universo e sobre nós:

 

 

1)  - Meu objetivo é simples. É a compreensão completa do universo, por que ele é assim e por que existe.

2)  Nós somos uma espécie avançada de macacos em um planeta menor de uma estrela mediana. Mas nós conseguimos entender o Universo. E isso nos torna muito especiais.

 

 Albert Einstein por sua vez, resumia tudo nestas duas frases:

 

3)  O primeiro dever da inteligência é desconfiar dela mesma.

4)   Deus é a lei e o legislador do Universo.



Estas quatro sínteses são simples, extremamente simples, mas, se porventura elas forem de encontro a tuas razões! ponha tuas barbas de molho! porque a barba da manada já arde desde a eternidade.

 

3”ODH”. A sociedade moderna deu um grande ou talvez um pequeno salto no conhecimento do macro e do micro universo. Sendo hoje, impossível falar sobre a vida sem ter o conhecimento moderno gerado pelas três ciências conhecidas como:  Física quântica, relatividade geral e cosmologia. O “sapiens” é partícula deste mesmo universo descrito pelas ciências citadas, assim, torna-se tolice falar da vida sem compreender o que seja o universo! Como seria tolice falar do universo sem compreender o que seja a vida. Pois, é do universo, em última instância que se origina a própria vida. Tudo que foi ou for dito sobre a vida pelos filósofos que não dominavam, não dominam ou desconheçam estas três ciências, se torna pura estultícia, e nada mais que isso! É impossível falar, sendo melhor calar, explanar com acerto sobre qualquer “coisa”, com referência ao homem dentro de sua existência, desconhecendo estas três ciências e das essências de que somos formados, como disse, é melhor calar. O sapiens é na realidade puramente “ideia” e nada mais! sem o constructo da ideia, do raciocínio, simplesmente voltamos a condição de macacos primitivos, e assim, nada seremos para podermos ocupar o patamar dos seres sencientes, e pensantes. Só de posse dessas essências pode-se desenvolver o conhecimento da “coisa” e com isto desenvolver o raciocínio sobre a “coisa”. E que se tornou na era moderna, o único caminho passível e possível para alcançar o desenvolvimento de sua intelectualidade e, obviamente de sua espiritualidade, alcançando a essência do seu “Eu” interior, a que se refere Schopenhauer. (O obscurantismo gerado pela ignorância existente na época, anterior à criação dessas ciências foi o fator que mais dificultou, e dificulta até hoje, o desenvolvimento espiritual da humanidade). Sem saber o que seja o universo! Como vislumbrar a essência do seu criador e a de suas criaturas? Sem um profundo conhecimento do micro e do macro cosmos, qualquer filósofo nos dias de hoje é um cego! Ele só produzirá estultícias. Observem, como o mundo atual está vazio de filósofos! Os poucos que existem tornaram-se somente uns repetidores das arengas dos mal informados filósofos do passado. As realidades que as duas físicas e a cosmologia de hoje põem diante do pensador atual! Leva-o a ser reticente quanto às verdades do passado, montadas sem a percepção da profunda interação do homem com as essências destas ciências. Daí, observa-se a verdade contida na frase atualíssima: O homem é o universo ou a natureza tomando conhecimento de si própria!

 

4”ODH”. Quem mais sofreu este efeito foram os seguidores das religiões ocidentais. Tendo-se que considerar a ciência como “caminho e ato” empreendedor da busca do conhecimento amplo e global da natureza, nela, incluso o homem e, numa abrangência maior, a (Inteligência Cósmica Criadora de Tudo), ou Deus. Neste remate ainda faço uma rápida apreciação sobre o caminhar do homem no planeta. Logo atrás, transcrevi as quatro assertivas dos dois cientistas. O motivo que me levou a adotar este tipo de procedimento (a transcrição) é que é mais lógico apoiar nossas razões nas razões dos mestres, especialmente em defesa de uma imensa maioria que não tem acesso aos canjerês da ciência. Os livros escritos por estes dois grandes sábios, estão disponíveis, FREE também em, (espanhol língua irmã), em PDF na net. Neste endereço abaixo:

Basta clicar nos links, que irão direto as páginas onde estão os Downloads em português.

 

Os livros de Hawking estão disponíveis, FREE, em português e em PDF nesse endereço:

https://onlinecursosgratuitos.com/07-livros-gratuitos-de-stephen-hawking-para-baixar-em-pdf/

 

Os livros de Einstein estão disponíveis, FREE, também em português, e em PDF nesse endereço:

http://lelivros.love/book/download-como-eu-vejo-o-mundo-albert-einstein-em-e-pub-mobi-e-pdf/

 

         O ELUCIDÁRIO

5”ODH”. Eis no que dá tentar ser ou ter que ser escritor sem o ser! Agora sim, tive que escrever o princípio, o meio e o fim, isto é, o antelóquio, a descrição dos três “insights” e este remate. Devido a insignificância da obra, e a meu ver, considerando sua complexidade descritiva tive que rabiscar a introdução, a que chamei de antelóquio, insatisfeito, rabisquei o remate, isto, para encerrar com um mais amplo esclarecimento e um consequente melhor entendimento, isto, pela grande maioria dos meus amigos leitores leigos. Para escrever o elucidário de uma obra tão insignificante, e tão embaralhada, só eu me disporia a tal, eu que nada sei, nem sou, sendo ainda menor que a insignificância desta obra, e, assim, dispus-me a fazê-lo, mesmo sobrando dificuldades, e faltando competência para tanto. Estou dizendo que hoje, 06/04/2003, não encontraria uma pessoa disposto a se arriscar a prefaciá-la! As insignificâncias são como as retas paralelas; também se encontram no infinito, principalmente num Universo infinito por curvatura. Afirmativa de difícil comprovação devido a inalcançabilidade deste infinito. Embora o pseudo-axioma das paralelas, até hoje nunca tenha sido comprovado, e talvez nunca o seja. Mesmo tendo que abstrair os estudos de Geralamo Sacherri no século XVIII, na obra “A Prova de Euclides” onde ele não intuiu que a geometria plana de Euclides não possui valor axiomático num espaço do tipo Hiperbólico de Johann Gauss, no esférico de Georg Riemann e no espaço/tempo curvo de Einstein. E não tinha mesmo como intuir! O efeito não precede a causa, sendo na época, a “causa” a intuição da existência destes espaços, e o “efeito” a sua síntese matemático/analítica. No século XVIII, realmente não havia como intuir qualquer de comprovação de que as retas se encontram no infinito.

 

UMA ANÁLISE DOS CAMINHOS DO HOMEM E SUAS PRINCIPAIS DESCOBERTAS NESTES ÚLTIMOS SÉCULOS, ISTO, QUANTO A ALGUNS DOS MAIS SINGELOS E SIMPLES

 SEGREDOS DO UNIVERSO.

6”ODH”. Neste início de século XXI, devido ao “alto” grau de desenvolvimento alcançado pela moderna tecnologia da microeletrônica, fundamentada na mecânica quântica, e levando-se em conta os avanços gerados por estas ciências, a grande maioria das pessoas pensam que muito já se descobriu sobre os segredos do Universo. Estes são os desligados ou “novatus” da vida; a percepção em profundidade é própria dos ligados ou “antiquus”; na realidade, o único grande avanço que se conseguiu foi no número das teorias. As teorias escritas sobre o universo, em geral, já devem passar de cem mil. No entanto, continuamos desconhecendo os fatos e os dados mais simples e elementares da estrutura do Universo, tais quais: forma, dimensão, origem, destino, volume, massa, etc. etc. etc. ao longo do século XX e início do XXI, de duas em duas décadas os conceitos mudam completamente! Desconhecemos completamente a origem, a forma, o volume e o destino do macrocosmo e do que realmente é composto o microcosmo. No macro cosmos, o melhor exemplo é desconhecermos o que seja a energia e a matéria escura que representam, conforme a própria cosmologia, 95,1 do que é composto o universo.  No micro cosmos, o melhor exemplo é a teoria do Modelo Padrão proposta em 1973, parada até hoje, e ainda sem uma solução. Nos perguntamos! De que é composta a intimidade fundamental da matéria, de que são compostos os “quarks”? Dos quais não temos nem a mínima ideia de sua forma ou topologia; de sua estrutura, nem falar! O interessante é que, mesmo desconhecendo o essencial dos grandes segredos do mundo quântico, fizemos grandes progressos em áreas afins. O homem já conseguiu feitos notáveis, estabelecendo, via cálculo, os pesos atômicos, dimensões, cargas elétricas e massas das partículas que compõem este mundo, isto com uma precisão inacreditável. Embora mesmo sem as puder ver. Também estabeleceu estes mesmos dados dos seus aglutinados, que são elétrons, e os quarks, que formam os nêutrons, prótons e pentaquarks, ou seja, a parte conhecida das partículas fundamentais do universo, chamados também de “férmions” e de “bósons”, quando matéria pesada são chamados de “hádrons”, enquanto as partículas leves são chamadas de léptons. Einstein na relatividade especial com a equação E=mc2 nos disse que energia era matéria expandida, por oposição matéria era energia concentrada, o que nos proporcionou a física atômica; como consequência, a bomba atômica, e, para compensar, a medicina nuclear. A mecânica quântica, por outro lado, tornou possível a microeletrônica e, com ela, todo o desenvolvimento atual. A maior revolução provocada pelo advento da mecânica quântica, foi no campo da comunicação, da computação e do diagnóstico médico. Com certeza, isto tudo foi conseguido mesmo com a lei da incerteza de Heisenberg. Na realidade, tudo começou com as equações de campo de Maxwell em 1865! Numa retrospectiva mais abrangente, tudo começou mesmo foi com a invenção da escrita. E ainda me dizem que não há uma centelha divina no Ser humano! Contudo, há de se observar um fato de grande relevância, sendo o fato mais importante que vem ocorrendo nestes últimos quinhentos anos, fato este que acelerou de forma inesperada e inusitada o desenvolvimento da humanidade e que, por consequência disso vem alterando a face do planeta. Vejamos que fato tão poderoso ocorreu? Todas as descobertas feitas pelo “sapiens” até hoje no mundo, tornar-se-ão desprezíveis frente as mudanças que advirão, provocadas pela futura IA. Um homem para ser um sábio necessita de três coisas; ter nascido, ser persistente, e ser humilde. Pois conforme Thomas Hobbes, (1588-1679), nascemos com a tábula rasa, isto é, limpinha da silva, zerada, polida e escovada. Realmente, nascemos zerados de conhecimento. Sem a persistência nada se consegue, nem mesmo existir! Quem desiste desaparece. Quanto à humildade, a sabedoria é irmã gêmea da humildade, a sabedoria desenvolve o espírito dos humanos, a genialidade desenvolve a ciência e a tecnologia dos humanos. As ações dos homens, quando estes se tornarem sábios, farão cessar a guerra de “todos contra todos”, estimulada pela concorrência própria do maldito capitalismo, hoje universal. Então, acabará naturalmente a "bellum omnia omnes". Entendam que, embora eu diga que o capitalismo seja maldito, o seu oposto, o comunismo, sob certa visão, é mil vezes pior! Os dois maiores países comunistas do mundo, adotaram o capitalismo para não sucumbirem, para não morrerem de fome! A China depois de 1976, e a Rússia depois de 1991. Mas, por mais que o PIB do planeta cresça, existe três bilhões de pessoas no mundo ganhando 2 dólares por dia, portanto vivendo na miséria e na pobreza! O sistema econômico comunista foi abandonado por estes dois grandes países, o primeiro pela população, 1,4 bilhão de comedores de arroz, o segundo pela área de seu território, 21 milhões de km². Estes países depois de matarem mais de cem milhões de pessoas pata conseguir implantar o regime comunista, tudo inutilmente. Nenhum dos dois sistemas são benéficos para a população nem para o planeta. Noutro ensaio eu digo que: Não creio na “esmola” do comunismo, também não creio na “disputa” do capitalismo! A esmola destrói o homem, destruindo sua autoestima. A disputa destrói o homem, com o desenvolvimento exponencial, destruindo a biodiversidade do planeta. Sob este aspecto o capitalismo é mais danoso que o comunismo. Creio no amor, no desapego e na comiseração. A vida é efêmera, e nós, mesmo sendo do todo, agimos como partículas do nada, nos autodestruindo. Pobre humanidade de tolos! O caminho a ser seguido é outro, já exposto noutro ensaio neste blog. Leiam o "Terraqueoismo".

 

A PLÊIADE DE ESPÍRITOS ILUMINADOS

7”ODH”. Não se trata aqui do caso de achar ou de supor! Ocorreu, com certeza; e foi um fato de grande relevância! (É uma realidade que pode ser constatada por qualquer pessoa com um mínimo de conhecimento e bom-senso). Uma plêiade de espíritos com aptidões superiores, sem a menor sombra de dúvida, espírito após espírito, um após o outro, alguns na mesma época, isto nestes últimos quinhentos anos. Vieram para estabelecer as bases da evolução em todos os ramos do conhecimento humano. Embora esta plêiade ultrapasse de muito o número sete, chegando aos milhares, aqui não nos reportamos às suas qualidades espirituais ou morais, nem ao seu número. Ainda nos lembramos do comportamento de Newton (quando assumiu a direção da Casa da Moeda Britânica em 1696). Mesmo porque, estes espíritos “infalivelmente”, quando eles se nos apresentaram, eram tão-somente simples espíritos humanos, sujeitos a todas as suas vicissitudes. O que acreditamos é que vieram para transformar a sociedade humana de uma só vez e para sempre. E fizeram isto recebendo orientação e iluminação de espíritos superiores. Houve uma grande transformação e avanço na ciência e nas artes, nestes últimos quinhentos anos. Iluminado pela luz destes milhares de espíritos, tudo evoluiu, mas tudo, mesmo. Veja o caso das artes, pintura, escultura, música, dança, canto e etc. foi uma verdadeira explosão de arte nestes últimos cinco séculos. Se olharmos para a área das ciências, o mesmo fenômeno se repetiu! Com a matemática, com a química, física, astronomia, medicina, metalurgia, etc., nos últimos anos, houve uma explosão no desenvolvimento, da astronáutica, informática, biogenética, automação industrial, e coroando tudo a IA. No início do século XVI, alguns navegadores partindo da Península Ibérica, e com o concurso do desenvolvimento da ciência náutica e o consequente aperfeiçoamento da construção naval, o mapa do planeta foi redesenhado! Em 1500, em que grau de desenvolvimento estava a física, a química, a matemática, a biologia, a medicina e a astronomia e demais áreas do conhecimento humano, como estavam? Estava todo mundo engatinhando; não nos esqueçamos que a sabedoria divina é perfeita! Antes de nos mandar esta plêiade de iluminados nas artes e nas ciências e na fé, mandou primeiramente um iluminado para criar um meio para que o conhecimento que viesse com esta plêiade pudesse ser difundido facilmente para toda a humanidade, senão, este conhecimento ficaria restrito aos copistas e aos claustros.

 

       A OBRA DOS DOIS ALEMÃES E DO DOIS FRANCESES

8”ODH”. Aí chegou de antemão, o velho Gutenberg (1394-1468) com a imprensa; o que primeiro se difundiu foi a Bíblia. Depois vieram os reformadores: Lutero (1483-1546), Calvino (1509-1564), e, mais tarde, o codificador Kardec (1804-1869). O primeiro facilitando a difusão do conhecimento, os outros três, mudando completamente o conceito que os ocidentais tinham de religião. Recordemo-nos da pequenina bíblia de Gutenberg; foi a primeira semente. Não nos esqueçamos de que sem a imprensa para facilitar a difusão do conhecimento teológico e científico (a fé é irmã da ciência, embora tenham andado às turras desde muito tempo) a Igreja manteria a humanidade no obscurantismo por pelo menos mais 1000 anos, e aí, então, seria rotineiro fazer churrasco de cientista. Infelizmente alguns não escaparam Giordano Bruno (1548-1600) que o diga. A loucura dos dirigentes da Igreja! Enclausurou Galileu Galilei (1564-1642), o pai da física até seus últimos dias de vida; louca decisão! A verdade jamais será enclausurada. Esta plêiade de espíritos iluminados foi uma resposta da Inteligência Cósmica, a esta Igreja desvairada, tresloucada e orgulhosa!  Bem que foi! Ora se foi! Não citaremos os nomes de todos os iluminados, para não sermos injustos, e por total falta de espaço, esquecimento, desconhecimento, etc. e, assim, a maioria não seria citada.  

 

OS DOIS TRONOS DOS DOIS TOLOS

9”ODH”. Na atualidade, há dois tronos na Terra, ambos tentando se comunicar com o Criador: um fixo em Roma, e outro móvel sobre uma cadeira de rodas “computadorizada” em Cambridge na Inglaterra. Num trono em Roma, um peregrino, com um imenso coração esparge amor por todo o Globo, em suas viagens que não acabam mais. Os antigos mandatários da Igreja de Roma, de onde estiverem, devem “remorrer” de vergonha ao verem o comportamento do Papa atual. Do outro lado, no trono de Cambridge, um outro peregrino, com certeza, que faz parte da plêiade de iluminados, percorre os centros de ciência do mundo inteiro difundindo suas descobertas sobre os segredos do Universo. Espero queKarol Josef Wojtyla e Stephen Williams Hawking sigam seus sagrados caminhos até onde Deus o permitir. Amém! Mas, fiquem atentos, não se impressionem com seus falares, são dois tolos na acepção do termo, o primeiro: prega a existência de um Deus inexistente, o segundo: prega a inexistência de um Deus existente, tudo isso, seria devido a pouca evolução atual dos humanos, que não lhes permite entender a forma e a realidade da existência da Deidade, a qual nomino de Inteligência Cósmica.    

 

Edimilson Santos Silva Movér

Itacaré, 12-04-2003

Atualizado em agosto de 2018

Revisado em 02/08/2021

moversol@yahoo.com.br


0 comentários:

Postar um comentário