segunda-feira, 13 de agosto de 2018

O QUE SOMOS E O QUE NÃO SOMOS - ESTUDO (136)oks

 


DA SÉRIE: ENSAIOS QUE NOS LEVAM A PENSAR

Sub série:  Temas ontológicos

 

O QUE SOMOS E O QUE NÃO SOMOS

 

Doce senhorita!
Sei que estudas psicologia, aí na tua universidade!
Eu, utilizando minha psicologia, deduzo o que somos com referência à nossa psique.

Resolvi tornar estas últimas páginas do "Universo Atemporal" adendas à tua carta. Me diga depois o que achastes do conteúdo

 

O QUE SOMOS (I)

NUMA ABORDAGEM MECANICISTA

Toda nossa estrutura material está contida em cada célula de nosso organismo. A clonagem comprova que todas as nossas células contêm uma cópia completa de nós mesmos, na helicóide do DNA, incluindo, embora pareça inacreditável, toda nossa memória, embora externa ao organismo, e que dessa clonagem resulte! Ou simplesmente, resulte em nós mesmos, pois, somos somente nossa memória! Não sei como a ciência da fisiologia humana e da neurologia, já tão avançadas! Não perceberam que todo nosso organismo é na realidade uma extensão do nosso cérebro, ou seja, nós somos nosso cérebro. É como se nossos membros fossem tão somente apêndices feitos exclusivamente para dar suporte ao nosso cérebro. Na essência, nós somos a memória contida em nosso organismo imaterial, e nada mais, ou seja, nós somos nossa enteléquia.

 

Fora da ciência! Nos denominamos de: eu, mente, entendimento, ser, espírito, ego, enteléquia, alma, e das duas denominações mais acertadas (centelha divina e eterna, e de partícula da consciência cósmica).    

 

O QUE SOMOS (II)

 Não é tão difícil entender este fato simples e lógico! Não somos na essência, matéria, somos algo muito sutil, “algo” muito especial, digamos, especialíssimo, somos seres capazes de fazer uma análise transcendental do nosso próprio existir e do existir do Universo que nós habitamos e sobretudo, da existência do criador desse universo, que nominamos de Deus, Tao, Brahmam, Yhavhwe, Alláh, Mazda, Criador do Universo e Inteligência Cósmica. Somos Partículas da Consciência Cósmica, assim transcendemos ao próprio Universo. Somos a natureza tomando conhecimento de si própria. (Aqui, esta natureza representando todos os Universos, tudo o que existe desde a eternidade). Na essência última do “Ser” somos a sublimação, a transubstanciação da “partícula divina” no “Ser” senciente e racional, formado de pura energia, portanto, eterno. Devido a isso, transcendemos ao próprio Universo. Sendo este, o ápice do ato primeiro e Criador. Certamente, depois que se toma conhecimento e consciência da “inconcebível” imensidão do Cosmos seria um despautério julgar que na vastidão do Universo só exista este único planeta com condições de abrigar a vida inteligente, isto representa “a meu ver”, o supremo “nonsense”.

 

O QUE NÃO SOMOS

Não somos a incerteza nem a certeza absoluta.

Não somos o saber nem a estultice exacerbada.

Não somos o “Todo” existencial nem o niilismo filosófico.

Não somos o verso nem o anverso do universo.

Não somos o início nem o fim do existir no cosmos.

Não somos matéria nem a antimatéria por oposição.

Não somos o conhecimento em sua forma mais profunda.

Nem o desconhecimento em sua forma mais singela.

Não somos máquinas brutas nem somente espíritos.

Não somos tudo o que dizem que nós somos.

Nem o que dizem que não somos.

Não somos tudo que dizemos que nós somos.

Nem tudo que dizemos que não somos.

Não somos os únicos seres sencientes existentes.

Não somos o passado, muito menos somos o futuro.

Não somos o amor em sua forma mais sublime.

Nem somos o ódio em sua forma mais insana.

Não somos capazes de criar um átomo.

Mas somos capazes de destruir o mundo em que vivemos.

Tudo isso porque não somos a luz, nem tampouco o Alfa, nem o Ômega.

Tudo isso porque nós não somos trinos.

Tudo isso porque somos somente matéria e espírito.

Só os extremos abarcam o todo.

Por sermos o “meio” é que não somos os extremos.

Em função disto, é que advém nossas limitações.

No existir humano fato mais simples e singular não há.

 

NESTE CASO, EM PARTICULAR, ESTE ARRAZOADO DEVERIA ESTAR CONTIDO NO PRIMEIRO E NO ÚLTIMO INSIGHT,

POIS ABORDA SIMULTANEAMENTE O PRINCÍPIO E O FIM DO UNIVERSO E, ÓBVIO DE NÓS MESMOS.

 

 

Edimilson Santos Silva Movér

Aqui chegamos ao fim da abordagem do terceiro e último “insight” ocorrido na madrugada de 20/12/1999 em Itacaré - Bahia. Transcrito em 20/12/2003 na Fazenda Experimental da Fundipesca, Camaçari - Bahia. 

moversol@yahoo.com.br



0 comentários:

Postar um comentário