quarta-feira, 1 de agosto de 2018

POEIRA DAS ESTRELAS - POESIA



          POEIRA DAS ESTRELAS                                  

Ao amigo e Geofísico
 Rui Bruno Bacelar de Oliveira

Eis o que somos, poeira das estrelas e nada mais!
Em elementos reconstituídos, moléculas do devir,
Carbono, azoto, oxigênio e amoníaco, raciocinais!
Consciência, razão e lógica é o que constrói o porvir. 

Filhos das estrelas, bem que o somos! O que acredito,
Sem nenhum orgulho, simples compostos minerais,
No cérebro, no hipotálamo habita em nós o espírito,
Filhos da criatividade dos antepassados! Ponderais!

Nada mais somos, a verdade se nos apresenta retilínea,
A paleontologia perscruta nosso passado, é a ciência,
A fé nos conduz a Deus, a ciência é uma reta curvilínea
Com ela vários resultados frutos da nossa consciência,

A quântica nos anima, mas, de forma definitiva nos limita,
A relatividade de Einstein está sub judice de forma cabal,
Os quarks são o limite do micro, do macro a supralux infinita,
Estes limites nos enclausuram e nos sufocam de forma total.

Qual a certeza? Se luz, energia e matéria estão em si contidas!
A luz é fugidia, sendo pois, ao mesmo tempo partícula e onda,
Heisenberg na incerteza, Schrödinger, o seu gato e suas vidas,
Todos gênios! Van Gogh e sua orelha, Da Vinci e sua Gioconda.

A verdade dos pitagóricos já não vale mais? Aristóteles acerta?
Reclamando; Tycho, Kepler e Galileu já diziam, não está correto,
O sol é o centro do universo, todos erraram, alguém contesta,
A verdade de hoje pode mudar, em ciência nada é definitivo,

Afirmamos, a Via Láctea, já sabemos, não é o centro do universo,
Dura verdade, o desenvolvimento, tudo que vemos está na relatividade,
Contrariando a ciência oficial, nosso macro universo está em contração,
Na verdade a cosmologia nega que estamos inda para nova singularidade,
O Movér no Segundo Insight nos afirma, eis que nosso universo é reverso,

Difícil provar o fato de que a fase atual de nosso universo não seja a expansão,
Na verdade eis o que somos como matéria, somos na essência, me escutais...
Somos o hidrogênio, primeiro elemento a aparecer no universo onde predomina,
A quantidade e a antiguidade! Somos, realmente poeira das estrelas primordiais,
Disputa balofa e burra, orgulho, bazófia e turra, a vida calmamente nos ensina,

Somos feitos da maioria dos elementos da tabela periódica, somos universais,
Ousemos, ou jamais saberemos o que somos, me escutais,

Afirmo, a ressonância mórfica tem origem divina, ponderais!!!.




Edimilson Santos Silva Movér 
Vitória da Conquista, Ba.
 27 de dezembro de 2006

O QUE NÃO SOMOS

Se soubermos o que não somos!
Elucidamos em parte o mistério do que realmente somos...


Não somos a incerteza nem a certeza absoluta,
Não somos o saber nem a estultice exacerbada,
Não somos o todo existencial nem o niilismo filosófico,
Não somos o verso nem o anverso do universo,
Não somos o início nem o fim do existir no Cosmos,
Não somos matéria nem a antimatéria por oposição,
Não somos o conhecimento em sua forma mais profunda,
Nem o desconhecimento em sua forma mais singela,
Não somos máquinas brutas nem somente espíritos,
Não somos tudo o que dizem que nós somos,
Nem o que dizem que não somos,
Não somos tudo que dizemos que nós somos,
Nem tudo que dizemos que não somos,
Não somos os únicos Seres sencientes existentes,
Não somos o passado, muito menos somos o futuro,
Não somos o amor em sua forma mais sublime,
Nem somos o ódio em sua forma mais insana,
Não somos capazes de criar um átomo,
Mas somos capazes de destruir o mundo em que vivemos,
Tudo isso porque não somos a luz, nem o Alfa nem o Ômega,
Tudo isso porque nós não somos esta trindade,
Tudo isso porque somos somente matéria e espírito,
Só os extremos abarcam o todo,
Por não Sermos os extremos é que somos o meio,
No existir humano, fato mais simples e singular não há!


Somos feitos da poeira das estrelas.
Carl Sagan.

Edimilson Santos Silva Movér 
Vitória da Conquista, Ba.
20 de dezembro de 2003

0 comentários:

Postar um comentário