domingo, 5 de agosto de 2018

QUEM SOMOS? - POESIA (131)oks

  

QUEM SOMOS?

Por onde andei

Isso eu não sei!

Onde tanto vi!

E mesmo assim!

Só sei que nada sei.

 

 

Bem que deveríamos nos perguntar!

Que fazemos neste mundo?

Para vivermos mergulhados na ilusão?

Crendo que somos num momento, a nossa mente,

Noutras vezes o nosso coração!

Às vezes cremos que temos todo saber conosco,

Quando na realidade nada sabemos,

Nem mesmo o que é o saber,

Pois vivemos sem saber quem somos,

E viver assim não é viver,

Já dizia o poeta,

Que viver assim é ir levando...

Pensando que isto é viver!

Seremos por acaso só a nossa mente?

Ou é a nossa mente que isto nos faz crer?

Seremos por acaso pura energia?

Sendo a energia que nos faz viver!

Se formos então, somente energia,

Eternos! Teremos que ser,

Pois a energia é indestrutível

Como incognoscível é o grande "Ser".

Se formos somente nossa memória

Seremos então um nadinha do nada,

Pois é isso que a memória o é,

E se a memória for partícula quântica

Homens quânticos haveremos de ser,

Então seremos seres holográficos,

Bastando uma partícula para ser um "Ser",

A ressonância mórfica vem nos indicando

Que a memória é externa ao "Ser",

Sendo o universo um grande holograma,

Ser holográfico o "Ser" terá que ser,

Eu não sei se sei!

Ou se devo

Ou se posso relatar o que vi...

Se formos feitos das tais partículas quânticas,

Da mais profunda intimidade dos átomos,

Elétrons loucos, nos seus girares constantes,

Quarks ups e downs constituindo os núcleos,

Pareceram-me infinitesimais argolinhas girantes,

Giravam tanto! Que iam me enlouquecer!

E eu louco e desvairado por aqueles espaços,

Sentia-me um nada na presença do tudo,

Só entendia por onde eu pisava e andava

Com o amparo do meu outro "Ser".

Loucas visões do universo pleno,

Vi um mundo infinito de infinitos universos,

Vi universos de universos ao redor de mim,

Vi a sabedoria do criador de tudo,

Na simplicidade da eternidade,

Que a tudo permeia pelos tempos sem fim.

 

Edimilson Santos Silva Movér

Vitória da Conquista, 09 de agosto de 2008

 




0 comentários:

Postar um comentário