sábado, 22 de setembro de 2018

O ÚLTIMO PINTOR RUPESTRE - ESPELEOPOESIA



O ÚLTIMO PINTOR RUPESTRE
(Sonhos que nunca entendi!)

Donde vim?
Isto, eu não sei...
Para onde vou?
Isto, jamais saberei...


Vivi em/eras remotas/por trilhas ignotas/eu percorri,
Arrostando/mundos/de velhas/lembranças/ali andei,
Carcaças/antigas/de meus/ancestrais/eu sei/que vi,
Cavernas/antigas/escuras/mal cheirosas/ali pintei.

Um couro/antigo/como agasalho/a me proteger,  
Um estaleiro/perigoso/desequilibrado/ali finquei,
Animais/ferozes /de bocas/escancaradas/ali notei,
O facho/apagado/a escuridão/o medo/de morrer.

Um ser acuado/um amigo ausente/a tinta na mão,
O medo terrível/o roncar das feras/venha salvação!
O raiar do dia/o fugir da noite/já cansado/e sozinho,
Um gritar/lá fora/um sorrir/cá dentro/era o vizinho.

Outros/chegaram/expulsando/as feras!/E eu rezando,
Deixei/as pinturas/no coração/da terra, alegre a sorrir,
Tintas/da terra/e da casca do pau/as mãos/sujando,
Saí da caverna!/Ainda vivo/e de novo/vi o sol luzir.

Pintar/tetos/paredes/é escrever/para o mundo,
Deixando/o recado/nas pinturas/por/aqui/passamos!
Somos seres/inteligentes/só vivemos/por um segundo,
De/onde/viemos/para/onde/vamos/nisso/nem pensamos.

No coração/da terra/eu juro/que/não/pinto/mais,
Nem que/o tempo/apague/eu só pinto/cá fora,
Vou pintar/os campos/as aves/ todos/os animais!
Saí/da/caverna!/tinta/na mão!/E de lá/fui embora...

Por que os homens pintores,
Repentinamente abandonaram as cavernas? Isto, há trinta mil anos atrás!

Em Espanha: Altamira, El Castillo, Bustillo, Atxurra, La Pasiega e muitas outras principalmente na Cantábria. Em França: Lascaux, Chauvet, Les Eyzies, Montgnac, Niaux, Valon-Pont-d’Darc, é verdade que foram abandonadas para sempre, e que nalgumas não pintaram! Mas, ali, moraram.... suas histórias estão ali guardadas para sempre! Foram nossos avôs! Nossos antepassados.

Ao espírito que dorme desde tempos imemoriais sob a escada.
Num passado distante do irmão Witemberg Pires Pereira 

Vitória da Conquista, 10 de abril de 2009
Edimilson Santos Silva Movér

Um comentário: